Furacão abre uma boa vantagem

Publicação: 2018-11-08 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O Atlético/PR abriu uma boa vantagem sobre o Fluminense, no primeiro jogo da semifinal da Copa Sul-Americana. A vitória por 2 a 0, ontem, na Arena da Baixada faz com que o time carioca precise repetir o marcador para levar a partida às penalidades. Para avançar direto, o Tricolor precisaria de três gols de vantagem. A partida decisiva está agendada para a próxima semana, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. Os gols de ontem foram marcados por Renan Lodi e Rony.

Atlético/PR e Fluminense fizeram bom jogo com muita marcação e também velocidade em campo
Atlético/PR e Fluminense fizeram bom jogo com muita marcação e também velocidade em campo

Eficiência. A palavra resume o que o Atlético/PR executou durante o primeiro tempo do duelo contra o Fluminense. O Tricolor teve mais posse de bola, 56%, foi eficiente nos passes, 91% de acertos, no entanto, foram os donos da casa quem mais chegaram com perigo. Ao todo foram sete boas oportunidades para marcar em 10 finalizações. Dessa forma, o resultado de 1 a 0, na etapa inicial, acabou sendo ruim para os atleticanos e um lucro para os tricolores.

Em dois lances, primeiro aos sete, na defesa, e depois aos 11, no ataque, o zagueiro Gum porpouco não rouba a cena no início da partica. No setor defensivo,  lançamento para Cirino, que driblou Júlio César e foi desarmado por Gum antes da finalização. No ataque, o goleiro Rubro-negro teve que se esforçar muito para segurar a conclusão de cabeça do zagueiro carioca.

Mas não demorou para o time da Arena da Baixada abrir o marcador. Aos 18 minutos, Renan Lodi ficou com o rebote na entrada da área e chutou. A bola explodiu na zaga e voltou para ele. O novo chute bateu na trave e entrou. Foi o 16º gol do Atlético-PR na Sul-Americana. É o melhor ataque do torneio.

Depois do gol a pressão aumentou para cima do Fluminense. Com o apoio da torcida, o Furacão partiu para tentar ampliar o marcador, sempre com a mesma eficiência para sair em velocidade para cima da zaga do adversário.

Somente após uma mudança tática o time do Rio de Janeiro respirou mais na partida. Ordenados pelo técnico Marcelo Oliveira, os tricolores passaram a fazer marcação alta no Atlético-PR. O time chegou a colocar cinco, seis jogadores no campo do adversário, que busca sempre sair tocando a bola.

As chances logo surgiram. Uma das melhores aconteceu aos 39 minutos de jogo, justo fruto da marcação próxima da área rival. Jonathan errou na saída de bola, Everaldo invadiu a área pela esquerda e chutou fraco para boa defesa de Santos.

Na volta para o segundo tempo, o time carioca voltou ainda mais aceso e aproveitou brechas que surgiram na boa marcação atleticana. Foram chances desperdiçadas e grandes defesas de Santos.

Preocupado com o espaço no meio de campo, o técnico do Atlético/PR lançou mão do volante Wellington, que entrou na vaga de Lucho Gonzallez. A idéia era dar fôlego no combate e velocidade após a retomada da posse de bola.

Em princípio parecia que a mudança não surtiria efeito uma vez que o Fluminense continuou dominando e chegando com perigo. Sornoza e Ibañez perderam chances claras, apesar de o Atlético/PR também ter acertado a trave Tricolor.

E foi lego depois desse lance que veio a jogada do segundo gol justo quando a torcida da casa estava mais preocupada. Aos 32 minutos, Renan Lodi cruzou da esquerda, a defesa do Flu se posicionou mal e Rony apareceu para cabecear e fazer 2 a 0 para o time paranaense.

O técnico Marcelo Oliveira ainda tentou avançar o Fluminense em busca de um gol que melhoraria a posição do seu time para o jogo da volta. Entraram em campo Júnior Dutra e Marcos Júnior para reforçar o ataque. No entanto, o gol não saiu e, nos contra-ataques, por pouco o time da casa não ampliou o marcador e a bela vantagem.

Ficha técnica
Atlético/PR: Santos; Jonathan, Thiago Heleno, Léo Pereira e Renan Lodi; Bruno Guimarães, Lucho González (Wellington) e Raphael Veiga; Nikão, M. Cirino (Rony) e Pablo (Bergson). Téc: Tiago Nunes.

Fluminense: Júlio César, Gum, Digão, Ibanez; Jadson, Airton (Léo), Richard, Jadson, Sornoza (Junior Dutra), Ayrton Lucas; Everaldo (Marcos Junior), Luciano. Técnico: Marcelo Oliveira.

Local: Arena da Baixada

Árbitro: Roddy Zambrano (EQU)

Assistentes: Christian Lescano e Bryon Romero (EQU)

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários