Cookie Consent
Natal
Cobrança de tarifa no Circular do Campus da UFRN pode ter impacto de 20% no bolso dos usuários
Publicado: 00:00:00 - 03/12/2021 Atualizado: 07:47:21 - 03/12/2021
Ícaro Carvalho
Repórter

A cobrança da tarifa no circular da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) pode impactar em até 20% nos gastos de estudantes e servidores que não sejam de Natal. Os estudantes da capital poderão usar a integração e não vão pagar pelo uso do transporte até o campus. Em números absolutos, um estudante de Goianinha, por exemplo, que entre e saia na UFRN todos os dias e faça ao menos uma viagem, terá um acréscimo de R$ 64 no orçamento. Estudantes fizeram um protesto na Secretaria de Transportes de Natal por conta do fim da gratuidade.

Cedida
Circular da UFRN deixou de ser gratuito. Apenas estudantes de Natal podem usar integração

Circular da UFRN deixou de ser gratuito. Apenas estudantes de Natal podem usar integração


Os cálculos foram feitos pela reportagem da TRIBUNA DO NORTE com base nos valores das tarifas dos ônibus da Grande Natal do Departamento de Estradas e Rodagens (DER). Considerando apenas os municípios que fazem parte da Região Metropolitana de Natal, Goianinha, Maxaranguape e Vera Cruz são os municípios com as tarifas mais altas, de R$ 4 a R$ 6,25.
Segundo dados da UFRN obtidos pela TRIBUNA DO NORTE, pelo menos 15 mil estudantes da Grande Natal serão impactados pela cobrança do valor no Circular da UFRN, que passará a se chamar “Alimentadora UFRN”, segundo a Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal (STTU).

Pelos moldes do que foi anunciado pela STTU, o estudante de Goianinha, que por mês já gasta R$ 250/mês, que desça no Via Direta, por exemplo, e ingresse e saia na UFRN uma vez ao dia, terá um custo mensal de R$ 64. O valor total, portanto, chegaria a R$ 314. Caso ele precise fazer, diariamente, ao menos mais uma viagem, por dia, ele terá acrescido mais R$ 32.

Para quem vem de Maxaranguape, por sua vez, segunda tarifa mais cara no sistema intermunicipal dos municípios da Região Metropolitana, o custo seria de R$ 212 pelas viagens acrescidos ainda dos R$ 64, chegando a R$ 276.

“Desço no Via Direta e vou andando. Não vou usar o circular pago porque já tenho que pagar almoço, porque não está tendo Restaurante Universitário. Pelo menos voltando o 63 ou o 10/29, porque nenhum ônibus está entrando na UFRN. Só que dentro da universidade precisamos transitar. Antes tinha o circular, agora não tem mais ”, cita o estudante de Engenharia de Computação, Victor Yeso Fidélis, 22 anos, que vai à UFRN todos os dias da semana para sua bolsa de iniciação científica e afirma que terá dificuldades em fazer a integração.

Quem passa por situação parecida é o estudante de jornalismo Marcos Vinícius, 23, que mora em Extremoz e vai à UFRN pelo menos duas vezes por semana. Sem circular, ele tem duas opções para chegar à UFRN: pegar um ônibus intermunicipal que passa pelo anel viário do campus ou descer no Via Direta e caminhar 1,7km para chegar onde trabalha como bolsista voluntário.

“Quando vou a pé para a UFRN é quando não tenho dinheiro para pegar o 304. Não pretendo pegar o circular pago porque não tenho condições esse valor. Vai ser a mesma rotina, basicamente”, explica.

As bolsas de apoio-técnico da UFRN, bem como outras bolsas-estágio, possuem um valor médio de R$ 400. A UFRN informou à TRIBUNA DO NORTE que dispõe, atualmente, de auxílio transporte para estudantes residentes em cidades do interior potiguar, que contempla parcialmente discentes residentes em municípios da região metropolitana de Natal.

“Essa parcela de estudantes pode ser mais beneficiada com o referido auxílio em 2022, caso seja uma demanda apresentada pelo movimento estudantil, que ainda irá discutir com a gestão da UFRN como será aplicado o orçamento para o próximo ano”, diz a nota.

Como será a mudança
Segundo a STTU, os usuários da nova linha “Alimentadora UFRN”, vindos do sistema de transporte de Natal, farão integração através da bilhetagem eletrônica, tanto na chegada como na saída do Campus Universitário. Apenas um ônibus será ofertado.

Na vinda das linhas que têm tarifa de R$ 1,95 (meia estudantil), o passageiro fará a integração sem pagamento adicional. Já na saída da UFRN, tendo em vista que a tarifa dentro do campus é R$ 1,60 (meia estudantil), haverá o pagamento complementar de R$ 0,35 para completar a tarifa normal do sistema.
Nos demais deslocamentos dentro do campus universitário, o passageiro pagará a tarifa R$ 1,60 (meia) e R$ 3,20 (inteira), tanto nos pagamentos em cartão ou em dinheiro. “A ideia é que no momento é que as aulas voltem, volte a gratuidade, como era antes", disse Daliane Bandeira.

Guarda municipal usa spray de pimenta
Estudantes da UFRN promoveram, na manhã desta quinta-feira (02), um ato em frente à sede da Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal (STTU) contra as mudanças no sistema de transporte que dá acesso à universidade, que passou a ser pago desde a última quarta-feira (1º). Os alunos solicitaram uma reunião com interlocutores da pasta e cobravam o retorno da linha de forma gratuita.

Em dado momento, por volta das 13h, a GMN usou spray de pimenta para conter os manifestantes. Na movimentação, alguns estudantes caíram e tiveram ferimentos leves. Em nota, o Comando da Guarda Municipal afirmou a ação ocorreu devido aos manifestantes vedarem a entrada e saída de funcionários à sede da STTU. "Diante dos fatos expostos, os guardas municipais agiram dentro da legalidade para garantir o acesso livre a todas às pessoas", afirmou a Guarda, em nota. 

“O circular da UFRN é um direito nosso conquistado pela luta estudantil. Eles querem colocar essa tarifa, não faz sentido algum. Compreendemos também que nesse cenário pandêmico, os servidores públicos seguem trabalhando, não pararam, estudantes estão tendo aulas práticas e essas mesmas pessoas reclamaram ano passado dessa dificuldade de locomoção, porque o campus é enorme. E sem contar a falta de segurança", explica a estudante Amanda Moura, coordenadora geral do DCE/UFRN.

O protesto foi iniciado desde às 10h e os estudantes cobravam uma reunião com a secretária Daliana Bandeira. A Guarda Municipal estava no local para impedir a entrada de estudantes na STTU. Em dado momento, a pasta aceitou receber uma comissão de 5 estudantes, mas os manifestantes queriam uma comissão de 10 integrantes. 

Ação na Justiça pede o retorno do circular
Uma ação movida por Defensoria Pública do RN e Ministério Público Estadual pede a volta da linha 588, o circular gratuito, bem como o retorno de 100% da frota de ônibus em Natal. A ação é movida desde agosto de 2020.

O processo corre na 6ª Vara da Fazenda Pública de Natal e a última decisão, de agosto deste ano, determinou que o “município restabeleça, em sua integralidade, as 20 linhas de ônibus (01A, 01B, 12-14, 13, 18, 20, 23-69, 30A, 31A, 34, 41B, 44, 48, 57, 65, 66, 81, 587, 588 e 592) que foram suspensas após o início da pandemia da covid-19 sem prévia deliberação do Conselho Municipal de Transporte e Trânsito Urbano”.

Os 100% da frota, no entanto, não foram retomadas em Natal. A STTU alega que em 2019, 350 mil usuários por dia utilizavam o sistema de transporte e atualmente, na pandemia, o número está, em média, 190 mil.

O Ministério Público Federal também chegou a buscar uma ação para obrigar o retorno do circular na UFRN e intermediou uma série de reuniões com Seturn, STTU e UFRN, mas por já haver uma ação correndo na Justiça desde 2020, resolveu arquivar o procedimento.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte