Geração de energia solar cresce 175% no RN

Publicação: 2019-10-27 00:00:00
Ricardo Araújo
Editor de Economia

O sol que parece abraçar o Rio Grande do Norte além de gerar calor, luz natural e um entardecer inesquecível às margens do Rio Potengi, conforme descrito pelo folclorista Câmara Cascudo, é hoje uma fonte de geração de riquezas para o Estado. Sua incidência, uma das mais intensas entre as unidades federativas brasileiras, fez a geração de energia solar fotovoltaica crescer 175% em um ano no Estado conforme dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). 

Créditos: Adriano AbreuCom 300 dias de sol por ano Estado amplia geração nessa matrizCom 300 dias de sol por ano Estado amplia geração nessa matriz
Com 300 dias de sol por ano Estado amplia geração nessa matriz

saiba mais

Até o fim de setembro passado, 1.986 empreendimentos entre rurais, residenciais, industriais, comerciais e públicos  tinham, juntos, 28.264,62 kW de potência instalada. Ela é gerada a partir dos painéis que captam a luz do sol. A tendência é que a utilização dessa matriz energética cresça ainda mais com o resultado do mais recente leilão de energias renováveis promovido pela Aneel, que contemplou mais dois parques solares a serem construídos até 2025. No Brasil, a potência fotovoltaica conectada à rede de energia era, ao final do mês passado, de 954,6 MW. Em todo o país, segundo a Aneel, 69% dos municípios dispõem de, pelo menos, um sistema fotovoltaico.

No Rio Grande do Norte, 56,3% das cidades contam com um deles. Esse percentual é o terceiro maior do Nordeste, ficando somente atrás do Ceára, com 76,6%, e de Pernambuco, com 68,5%, conforme dados da Aneel. Números repassados pela Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) com exclusividade à TRIBUNA DO NORTE mostram o avanço no número de unidades geradoras dessa matriz energética no Estado. A Procuradoria Geral do Estado (PGJ) é um exemplo prático desse crescimento. A insitituição implementou, ao longo deste ano, painéis solares em sete prédios que administra com o intuito de modernizar a estrutura e gerar economia.

“A partir de 2015, com o aprimoramento das regras vigentes desde 2012 e ampliação das possibilidades para enquadramento de geradores distribuídos, o número de unidades consumidoras que geram sua energia tem aumentado exponencialmente ano após ano. Em 2015, foram conectados à rede de energia da Cosern 48 geradores distribuídos. Em 2018 foram realizadas 517 conexões. Até setembro deste ano, já foram conectadas cerca de 1.000 geradores distribuídos, o que representa um aumento de 300% em relação ao mesmo período do ano anterior”, destaca a Cosern.

A geração distribuída pode ser enquadrada como microgeração ou minigeração, a depender do tamanho do sistema. Esse mecanismo, segundo a Cosern, “permite ao cliente instalar pequenos geradores de fontes renováveis em sua unidade consumidora. A geração de energia pode ser solar, eólica, biomassa, hídrica e cogeração qualificada. Tratando-se de geração solar, por exemplo, a energia produzida pelo seu sistema fotovoltaico é consumida pelos aparelhos elétricos como geladeira, microondas, ar-condicionado, entre outros eletrodomésticos e eletroeletrônicos, diminuindo a energia consumida da rede da distribuidora, o que leva a uma redução no valor da conta de energia do cliente”.

Financiamentos
O Banco do Nordeste oferece crédito para financiar até 100% dos sistemas de micro e minigeração distribuída de energia, a partir de fontes renováveis através do FNE Sol. No Rio Grande do Norte, até agosto de 2019, foram quase R$ 6 milhões aplicados no segmento, alta de 16% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Uma das empresas que contratou o FNE Sol foi a Pousada Porto Belo, em Caicó. Com a instalação dos painéis solares no estacionamento de uma das unidades, o proprietário Tarcísio Melo reduziu a conta de energia em mais de 95% e já tem acúmulo de créditos com a distribuidora. “Eu percebi que energia solar era uma daquelas coisas que se você não tiver, você fica para trás. Já sabia que o Banco do Nordeste trabalhava com essa linha de crédito, então fui conhecer. O resultado foi tão bom que já implantei outra geradora com recursos próprios. Energia solar já é realidade", diz Melo.