Gestora defende política de esporte

Publicação: 2010-07-29 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Isaac Lira e Carla França - repórteres

A realização de grandes eventos esportivos no Brasil nessa segunda década do século XX precisa ser acompanhada de uma política firme de esporte. Esse é o diagnóstico da gerente de Projetos da Secretaria Executiva do Ministério do Esporte, Luiza Rangel. A gestora fez a conferência “O desafio científico e Tecnológico dos Mega Eventos Esportivos: Copa 2014 e Olimpíadas 2016” , ontem pela manhã, na 62a. Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. A conferência contou com a presença maciça de estudantes de educação física.

Secretária Executiva do Ministério do Esporte, Luíza Rangel apresenta conferência sobre “O desafio Científico e Tecnológico dos Megaeventos Esportivos”O ponto de vista defendido por Luiza Rangel não se encerra com as melhorias de infraestrutura trazidas por esses grandes eventos esportivos, principalmente a Copa do Mundo 2014 e as Olimpíadas 2016. “Sem dúvida, as cidades receberão um grande investimento. Além disso, precisamos investir na formação de atletas de alto rendimento e no aperfeiçoamento dos testes de antidopping”, afirmou Luiza Rangel. O Governo Federal deverá criar duas estatais com esse fim.

Uma reunião na próxima sexta-feira deverá instituir uma assembleia para a criação das empresas estatais, um direcionada para atletas de alto rendimento e outra para o controle do dopping. “Com essas empresas estatais, seria mais fácil gerir esse trabalho, porque desburocratiza, facilita a gestão, ao contrário do que acontece com a atual estrutura do Ministério dos Esportes, que é um ministério “jovem”, criado há pouco tempo”, complementou.

A perspectiva para o Brasil é de ser beneficiado não somente com os dois eventos principais (Copa do Mundo e Olimpíadas), mas com outras competições de menor porte. “Receberemos outros eventos. É o caso da Copa das Confederações e dos Jogos Olímpicos militares”, diz, enfatizando que também são oportunidades de atrair investimentos. “Se em uma reunião como essa da SBPC, você vê na imprensa a notícia que os hotéis estão lotados, com certeza em uma competição internacional esportiva o impacto deve ser bem maior”, aponta.

Além da hotelaria, a expectativa do Ministério dos Esportes é incrementar 55 setores da economia, sendo que o mais beneficiado é o da construção civil, com 10,5% de crescimento. “Na economia alemã, foram gerados mais R$ 5,5 bilhões durante a Copa do Mundo de 2006. É sobre recursos dessa ordem que estamos falando”, complementa.

Para ajudar na formação de atletas, não somente ligados ao futebol, o Ministério dos Esportes pretende incentivar, em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia, a formação de grupos de pesquisa e pós-graduações em educação física. Hoje, de acordo com Luiza Rangel, existe um déficit de profissionais dessa área, inclusive nas escolas públicas de ensino fundamental e médio.

Navio Cruzeiro do Sul recebe visitas

O navio “Cruzeiro do Sul”, atracado no Porto de Natal desde à tarde de quarta-feira, 27, está recebendo curiosos em uma série de visitas guiadas para mostrar o trabalho na embarcação, como parte da programação da 62ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

O navio é mantido pela Marinha do Brasil com o objetivo de dar apoio aos pesquisadores das universidades brasileiras das mais variadas áreas de conhecimento: biologia, química, oceanografia. A embarcação comporta no máximo 16 civis, que embarcam em missão com os tripulantes da Marinha. Mediante convênio com o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), a Marinha tem a obrigação de manter o navio em viagem por 80 dias ao ano.

O MCT é o responsável por mediar o contato entre as universidades e a Marinha para cadastro de pesquisadores aptos a embarcar no navio. O centro de Hidrografia da Marinha é o responsável por fazer a análise do perfil dos pesquisadores que solicitam os serviços do navio. A embarcação é capaz de dar suporte a atividades práticas de pesquisa marinha, como coleta de água, arrasto de materiais sólidos e análise da água a profundidades de até 6 mil metros. Com um instrumento chamado “rosette”, uma gaiola com 12 garrafas para acúmulo de água, os pesquisadores podem acompanhar, em tempo real, características como salinidade, temperatura, pressão e condutividade.

O navio está equipado com dois guinchos: um de 6 mil metros de alcance, e outro com 3 mil metros.

Descobertas sobre o cérebro chamam a atenção do público

Nós últimos anos cientistas estão fazendo importantes descobertas relacionadas ao funcionamento do cérebro e suas atividades. A sociedade também vem se interessando mais respeito do assunto. A prova disso foi a palestra Doenças do Cérebro: Avanço em Modelos Animais, realizada na tarde de ontem durante a 62ª SBPC, que lotou uma das salas da Escola de Ciência e Tecnologia da UFRN.

“Hoje todo mundo se interessa pelo assunto ‘cérebro’. As pessoas descobriram a importância dele e querem saber mais a respeito. Além disso,  o fato de o RN ser um dos polos de pesquisa de neurociências também desperta esse interesse”, disse o neurocientista e professor da UFRN, John Fontenelle Araújo, coordenador da palestra, que contou ainda com a participação dos pesquisadores Maria Aparecida Vital (UFPR), Vanessa Abílio (Umifesp) e Cláudio Marcos Teixeira de Queiroz (UFRN).

Na UFRN existem alguns grupos de pesquisas que estudam, entre outros temas, o sono e o ritmo biológico, como é formada a memória e substâncias ativas no cérebro que tem a ver com o emocional.

O professor Fontenelle vem desenvolvendo um trabalho interessante, que usa animais (saguis e ratos) para tentar entender a desordem bipolar, doença que se caracteriza por oscilações excessivas no humor, variando de episódios maníacos, marcados por agitação extrema, problemas de concentração a períodos de depressão profunda.

“Durante seis meses, por exemplo, nós induzimos o rato a viver dias  de 22 horas, ou seja, 11 horas no claro e no escuro. Nesse período, nós observamos o comportamento do animal, se eles apresentam os sintomas da desordem bipolar. Na segunda fase, testamos como o animal reage aos medicamentos para tratar a doença. E na última etapa, vamos observar as alterações que foram provocadas no cérebro do animal. Ainda estamos nas fases iniciais, mas os resultados estão sendo positivos”, explicou o professor.

Alunos de medicina se manifestam

Durante a 62ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), alunos do terceiro período do curso de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) fizeram um protesto na manhã de ontem, 28, na reitoria. Vestidos de branco e usando narizes de palhaço, os estudantes reclamavam da falta de professores para a disciplina de Iniciação ao Exame Clínico.

Em carta aberta, os alunos disseram que a disciplina está em situação preocupante devido à ausência de um corpo docente suficiente, principalmente para as aulas práticas.

Os estudantes relatam que procuraram a coordenação e a chefia do Departamento de Clínica Médica e foram informados que não houve inscritos no concurso para professor substituto.

Em reunião com a pró-reitora de graduação e a chefe de gabinete da Reitoria foi aberto um novo edital para a contratação de professores substitutos.

Megaestrutua para atender uma multidão

Quem visita a 62ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) não imagina quantas pessoas e serviços (alimentação, transporte) foram preparados para atender as mais de 19 mil pessoas – entre inscritos e visitantes- que circulam diariamente pela UFRN.

Para se ter uma ideia da  movimentação no Campus da UFRN, apenas um restaurante vende cerca de 250 refeições por dia. “Para atender à demanda, montamos um restaurante para funcionar durante os cinco dias da SBPC”, disse o empresário Giovani Rodrigues Júnior.

O empresário começou a se preparar com 30 dias de antecedência. Ainda segundo ele, 20 novos funcionários foram contratados. “Além disso, nós dobramos a quantidade de compra da semana”, disse Giovani.

Mas, como fazer para visitar os 120 estandes e participar das mais de 200 atividades oferecidas  na SBPC. Além da programação científica, estão acontecendo diversos eventos paralelos, a exemplo da SBPC Jovem (203 atividades voltadas para estudantes do ensino básico e para o público infanto-juvenil), da ExpoT&C e da SBPC Cultural (mais de 250 apresentações artísticas regionais).

Só o circular da UFRN não daria conta de  levar tantos passageiros. Por isso, foi colocado à disposição dos visitantes, o 'trenzinho da alegria' que faz gratuitamente o mesmo percurso do circular. “Não sei te dizer quantas viagens eu faço por dia. Sei que são muitas porque toda hora tem gente subindo e descendo do trem”, disse o motorista Vicente Santos. E tem ainda quem trabalha para divulgar tudo que está acontecendo na SBPC, é o caso dos 60 alunos dos cursos de Jornalismo, Radialismo e Publicidade & Propaganda, que  compõem a Agência Fotec de (foto) jornalismo, uma iniciativa  idealizada pelo professor  Itamar Nobre, do Departamento de Comunicação Social da UFRN. 

A agência conta com as funções de chefe e assistente de redação, pauteiro, assessor de imprensa, repórter de foto e texto,  entre outras, oferecendo suporte para a publicação de notícias e fotos. “É uma sala de aula experimental, onde os alunos aprendem na prática como funciona a profissão que eles escolheram”, disse o professor.

“É um projeto que só nos enriquece porque a gente coloca na prática a teoria vista na sala de aula”, contou Vanessa Paula Trigueiro, aluna do 2º período.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários