Giselda Trigueiro clama por reformas

Publicação: 2012-04-06 00:00:00 | Comentários: 6
A+ A-
O Hospital Giselda Trigueiro (HGT), referência no Estado no tratamento de doenças infecciosas, informações toxicológicas e imunobiológicos especiais, receberá, através de ordem judicial, atenção especial. O prédio, que data de 1943, criado com a missão de atender apenas pacientes com tuberculose, suplica por reforma em setores essenciais como o serviço de assistência especializada - hospital dia,  farmácia de manipulação e almoxarifado. Somente em 2011, o hospital realizou 33 mil atendimentos.
Rodrigo SenaO setor de almoxarifado do hospital denuncia parte dos problemas: vazamentos, paredes descascadas e piso molhado compõem o cenárioO setor de almoxarifado do hospital denuncia parte dos problemas: vazamentos, paredes descascadas e piso molhado compõem o cenário

O Hospital Giselda Trigueiro, que desde 2008 passou a prestar atendimento de acolhimento com classificação de risco, tem visto ano a ano o crescimento na demanda de pacientes. Na internação hospitalar por exemplo, de 2000 internações no ano de 2008, o hospital passou a realizar 3.068 em 2011. “Ao longo desse período conseguimos reduzir o número de mortalidade, que de 13% em 2008 passou para 6% esse ano”, informou o diretor técnico do HGT, Dr. Calos Mosca.

Dentro da unidade há setores  que enfrentam reforma há quase dez anos. É o caso do hospital dia e seu ambulatório, que hoje dividem o mesmo espaço. “Em 2002, o projeto de reforma desse setor surgiu para que o espaço passasse a ter a possibilidade de receber pacientes com a conhecida gripe aviária”, referiu, lamentando o desperdício do espaço inutilizado pela ação do tempo e pela falta de reforma. A conclusão do setor, que ficou parada entre paredes inacabadas e buracos no teto, acabou por precarizar um setor até então bem estruturado, que funcionava com sala de odontologia, recepção, banheiros e salas de tratamento.

Outro setor que, de acordo com a determinação da 4ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal, precisa receber conclusão dentro de 120 dias é o da farmácia de manipulação. Na tarde de ontem, a equipe de reportagem constatou que apenas o setor de manipulação precisa de reforma, já que o atual espaço não é adequado para que o material considerado limpo e sujo seja manuseado de forma e em espaços adequados.

Dentre os setores do HGT visitados na tarde de ontem, o setor de almoxarifado foi o que mais apresentava problemas de infra-estrutura. Vazamentos, paredes descascadas e piso molhado contrastavam com as outros setores do hospital, que apesar de possuir 59 anos de idade conseguia mostrar corredores limpos e conservação adequada, na medida do possível. No momento os produtos do almoxarifado do Giselda Trigueiro estão sendo armazenados em um espaço cedido pelo hospital João Machado. A reforma deve contemplar o espaço inclusive com serviço de refrigeração.

O hospital Giselda Trigueiro é referência em tratamento de doenças infectocontagiosas e possui programas de tratamento para doenças como Hanseníase, tuberculose, doença de chagas e HIV. Cerca de 2 mil pacientes fazem tratamento para a Aids. Em 2011 foram realizados 211 mil exames laboratoriais. O pronto socorro prestou atendimento para 28 mil adultos e 5 mil crianças. Em exames, HGT registrou no ano passado 10 mil exames radiológicos e mais de 2 mil ultra-sonografias.

A direção do HGT, que conta com outros três diretores além da diretora geral, Dra Milena Martins, diz que vem realizando diversas intervenções junto à Secretaria de Saúde, além de trabalhar insistentemente para o bom andamento do hospital. “É indiscutível que trabalhamos para que o atendimento do HGT continue sendo referência”, encerrou o diretor técnico, Dr. Carlos Mosca.

Para Secretaria, soluções poderão demorar

O secretario estadual de Saúde Pública do Estado, Domício Arruda, explicou por telefone que ainda não foi notificado sobre a determinação da justiça. Domício disse ainda que o processo de reforma para o Hospital Giselda Trigueiro provavelmente não poderá ser concluída no prazo estipulado pelo juiz  da 4ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal,  Cícero Martins de Macedo Filho, do último dia 03.

Domício Arruda explicou que a Sesap está levantando todos os contratos referentes à obra do Giselda Trigueiro e que, segundo informações da secretaria, há obras antigas demais e é provável que alguns processos não tenham mais validade. “Não acredito que essa obra possa ocorrer de maneira tão rápida. Caso seja necessário refazer um processo licitatório, somente essa fase processual dura em torno de 120 dias”, explicou.

O secretário de saúde afirmou que a Sesap está levantando todos as informações dos processos da reforma do Giselda para que, a partir disso, seja elaborado um relatório para o juiz com os dados de cada processo de cada setor do hospital. Segundo Domício, a verba para as obras de reformas dos hospitais é liberada pela Caixa Econômica Federal (CEF). Já a realização da reforma é feita pela Secretaria de  Estado de Infraestrutura (SIN).

Pagamento

Outros hospitais sofrem com a demora de reformas. No Hospital Santa Catarina a obra é marcada por paralisações. Segundo a Sesap, o pagamento da última medição já foi realizado e a previsão da empresa é que a obra seja entregue agora no mês de abril.

“Nós também já tivemos uma liberação de R$ 1 milhão e meio para climatização, compra e instalação de equipamentos. Existia a idéia de que o aparelho de raio-x que tinha sido desmontado serviria para o hospital, mas ele ficou muito tempo parado e resolvemos comprar um novo aparelho e utilizar o que está desmontado em um hospital menor.

De acordo com a Sesap com esses recursos, secretaria espera  resolver o problema do Hopital Santa Catarina, que sofreu nove paralisações desde o início da obra de reforma.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários

  • dalvanirabrito

    Até quando vamos presenciar notícas absurdas como essa? Esperamos que o governo tome providencias e resolva os problemas básicos da saúde em nosso estado. Onde estão as autoridades que não tomam providencias para melhorar os serviços públicos? Onde está o dinheiro dos nossos impostos? Aguardamos soluções.

  • silvanialis

    O Estado (união, estados e municípios) não pode ser "administrado" por políticos profissionais. Assim como o lesgislativo não pode ser composto de pessoas leigas, que não têm competência para legislar. É preciso uma reforma política urgente, sob pena de o povo ficar prejudicado ainda mais, sem saúde, educação, segurança, além de direitos básicos. Até concordo com uma eleição para cargos públicos, mas o candidato teria que comprovar através de concurso de prova e de títulos que tem competência para desempenhar tal função. O voto não tem que ser obrigatório, mas as pessoas tem que votar de forma consciente, sem imposição. A quem interessa um país com a escola pública e um sistema de saúde falidos?

  • francisco_huol

    ISSO É UMA VERGONHA PARA NOSSO BRASIL , CADÊ OS NOSSOS INPOSTOS

  • johnnymaverick7

    Esse governo rosalva não esta com nada, é o pior até os dias de hoje. foi uma escolha terrivel: micarla e rosalba.

  • danieldemelocosta

    Interessante: hoje (06/04/12), no jornal da noite da intertv, foi noticiado que o valor de 1 milhão e tantos outros reais era o valor da verba liberada para compra de insumos básicos!

  • naldo.ferre

    Que vergonha, como esses governantes deixam um hospital chegar numas condições dessas. Onde estam os órgãos competentes para fiscalizar o dinheiro público destinado para este hospital?