Governo do Estado não vai iniciar fração 2 de retomada econômica amanhã

Publicação: 2020-07-07 12:26:00
A+ A-
O Governo do Rio Grande do Norte anunciou que não vai iniciar a segunda fração da fase 1 de retomada econômica nesta quarta-feira (8). O anúncio foi feito pela governadora Fátima Bezerra, nesta terça-feira (7), durante a coletiva de imprensa diária da Secretaria de Estado de Saúde Pública.
Créditos: Elisa Elsie/govrnGovernadora Fátima Bezerra disse espera liberação de leitos para segunda fração da retomada econômicaGovernadora Fátima Bezerra disse espera liberação de leitos para segunda fração da retomada econômica


O motivo para a suspensão do início da segunda fase é a ocupação de leitos críticos. Segundo a governadora, a taxa de ocupação dos leitos críticos da rede pública é de 92% na manhã desta terça-feira. Fátima Bezerra afirmou que a segunda fase só vai ter início após o índice cair e chegar a no máximo 80%.

O número atual de leitos críticos na rede pública de saúde é de 252, mas 22 estão bloqueados, 8,72% do total. Dos 230 leitos disponíveis, 14 estão vagos e 216 ocupados. "Devemos abrir mais leitos nas próximas semanas e vamos continuar avaliando. Uma notícia positiva é que o isolamento social não caiu nesse período, o que dá uma perspectiva positiva para a retomada. Mas essa retomada requer muito cuidado, por isso que ela não pode ser encarada jamais como um 'liberou geral'", continuou a governadora.

Nesta terça-feira, o Rio Grande do Norte chegou a 35.809 infectados e 1.289 mortes causadas pelo novo coronavírus. Outras 49.921 pessoas permanecem considerados suspeitos, e 171 mortes são investigadas. O acréscimo nas últimas 24 horas é de 825 novos infectados e 41 novas mortes.

Atualmente, Natal está com liberação para funcionamento de restaurantes e outras atividades que estão vetadas no restante do estado. Leia aqui.

Fração 2

A Fração 2 prevê a liberação para funcionamento de:

- Serviços de alimentação de até 300 m²;

- Estabelecimentos com até 600 m² e com porta para a rua dos seguintes ramos: comércio de móveis, eletrodomésticos e colchões; lojas de departamento e magazines não localizados dentro de shopping centers ou centros comerciais; agências de turismo; comércio de calçados; comércio de brinquedos, artigos esportivos e de caça e pesca; comércio de instrumentos musicais e acessórios; de equipamentos de áudio e vídeo; de eletrônicos/informática; de equipamentos de telefonia e comunicação; joalherias, relojoarias, bijuterias e artesanatos; comércio de cosméticos e perfumaria.