Governo e PM negociam paralisação

Publicação: 2018-12-20 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Sem novidades a respeito do pagamento dos décimos terceiros salários referentes a 2017 e 2018, a ameaça de paralisação dos policiais e bombeiros militares para o próximo dia 21 permanece de pé. De acordo com o presidente da ASSPMBMRN, Subtenente Eliabe Marques, a mobilização não acontecerá caso o Estado deposite ou, ao menos, sinalize a data de pagamento do benefício. Haverá diálogo entre as partes em uma reunião marcada para às 14h desta quinta-feira, 20, envolvendo os representantes do Governo do Estado e comandantes da Polícia e Corpo de Bombeiros Militar.

Policiais Militares e bombeiros aprovaram indicativo de paralisação caso o Governo do Estado não pague o 13º
Policiais Militares e bombeiros aprovaram indicativo de paralisação caso o Governo do Estado não pague o 13º

“Caso o cenário permaneça como está, automaticamente está confirmada essa paralisação, que significará uma mudança de atitude dos policiais, que só vão trabalhar de acordo com as condições oferecidas pelo Estado”, disse o presidente da ASSPMBMRN.

A possível paralisação foi decidida na tarde da última terça-feira, 18, em uma assembleia da qual participaram policiais e bombeiros militares. De forma unânime, os militares votaram a favor da paralisação em caso de não haver indicativo para os pagamentos. Sem aceno do governo até agora, através da assessoria de imprensa, o Comando da Polícia Militar afirmou estar acompanhando todas as movimentações a respeito da possível paralisação. De acordo com eles, o diálogo com a tropa e as associações de policiais e bombeiros militares está aberto, e a expectativa é de que a situação possa ser resolvida sem qualquer tipo de paralisação ou ações de aquartelamento. “Temos a convicção de que o Governo vai tomar as medidas necessárias para apoiar a tropa da Polícia Militar”, afirmou o Tenente-Coronel Eduardo Franco, responsável pela comunicação da PM.

A Secretaria de Estado de Segurança Pública e de Defesa Social (Sesed) afirmou, através de sua assessoria de imprensa, que não irá  se pronunciar e que nada foi protocolado pelas associações militares falando da paralisação até o momento.

Em dezembro, a secretária chefe do Gabinete Civil, Tatiana Mendes Cunha, afirmou que a atual gestão não conseguiria pagar ainda esse ano a folha de pagamento de dezembro e o 13º de 2018. Além disso, segundo Tatiana Mendes Cunha,  o pagamento do restante do 13º de 2017 dependeria de decisão da Justiça liberando a antecipação de royalties para o Estado. O Tribunal de Justiça negou o pedido do Governo. Não receberam ainda o 13º de 2017 os servidores estaduais que ganham acima de R$ 5 mil. Os servidores da mesma faixa ainda não receberam o salário relativo ao mês de novembro. Não há data para o pagamento.

Além de buscar diálogo com o atual governo, as associações militares protocolaram expediente nesta quarta-feira, 19, com as reivindicações da categoria endereçadas à governadora eleita Fátima Bezerra. De acordo com Eliabe Marques, o contato foi feito e a associação já mantém contato com interlocutores da equipe de transição e espera ser recebida até o final de semana para tratar sobre os pagamentos de dezembro e do 13º salário de 2018.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários