Governo quer substituir adutoras

Publicação: 2019-03-28 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Após uma seca de seis anos, o Rio Grande do Norte começa a reajustar o seu sistema de reservas hídricas para melhor distribuir a água entre os municípios do Estado, e tentar evitar um período de escassez futura tão prolongado. Em entrevista concedida à TRIBUNA DO NORTE na última terça-feira (26), o diretor do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), Caramuru Paiva, relatou que quatro obras de integração e adutoras vão ser prioridade para o Estado.

Adutora de engate rápido, Apodi-Mossoró, no Oeste potiguar, deverá ser substituída por sistema de maior vazão de água
Adutora de engate rápido, Apodi-Mossoró, no Oeste potiguar, deverá ser substituída por sistema de maior vazão de água

As duas primeiras constituem nas adutoras Apodi – Mossoró, que já foi iniciada, e a Apodi – Pau dos Ferros, que ainda não teve início. O complexo deve substituir uma antiga adutora de vazão rápida que, de acordo com o diretor do Igarn, já está gasta. As duas obras, juntas, devem ficar na faixa dos R$ 205 milhões. Outra adutora que está nos planos do Governo é a de Umari - Campo Grande, essa orçada em R$ 30 milhões. A expectativa, de acordo com o Igarn, é de que 70 municípios distribuídos entre o Seridó, o Médio Oeste e o Alto Oeste sejam beneficiados pelas obras.

A maior das obras, no entanto, trata-se de uma integração entre todos os reservatórios do Seridó potiguar, como Itans, Gargalheiras, Dourado e São João. A barragem de Oiticica, uma vez concluída, também fará parte da integração, assim como a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, a maior do Rio Grande do Norte, com capacidade de armazenar 2,4 bilhões de metros cúbicos de água.

Essa integração, de acordo com o diretor, será feita de forma informatizada, e vai possibilitar que toda a população urbana e rural do Seridó, que corresponde a cerca de 310 mil habitantes, seja atendida. A previsão é de que a obra custe R$ 150 milhões. Os recursos, de acordo com Caramuru, devem ser anunciados pelo Governo Federal através do pacote do Plano Nacional de Segurança Hídrica, que é uma das 35 metas anunciadas pelo Governo Federal para os 100 primeiros dias do ano.

Além de aguardar os recursos, as obras ainda dependem de um outro fator para terem sucesso em seu objetivo de garantir o abastecimento para a população urbana e rural do RN: a chegada das águas da transposição do rio São Francisco.

 Caso as águas cheguem e passem a ser integradas no sistema, ele será permanentemente alimentado, e alguns reservatórios, como o Itans, poderão ficar apenas para a produção agrícola da região em períodos mais chuvosos.

Números
04 obras de integração e adutoras são consideradas prioridade para o Governo do Estado.

R$ 205 milhões é o valor estimado das obras de duas adutoras no Oeste que terão sistema de engate rápido substituído.

70 municípios distribuídos entre as regiões Seridó, Médio Oeste e Alto Oeste devem ser  beneficiados.

R$ 150  milhões é o valor da obra de integração entre reservatórios do Seridó com Oiticica e Armando Ribeiro Gonçalves.









continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários