Guedes admite que há 'debandada'

Publicação: 2020-08-12 00:00:00
A+ A-
BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, perdeu ontem os dois integrantes da sua equipe que mais tinham a marca da agenda liberal que prometeu implementar na economia brasileira no início do governo.

Créditos: Luis Macedo / Câmara dos DeputadosRodrigo Maia e Paulo Guedes se reuniram para fechar uma defesa pela manutenção do teto de gastosRodrigo Maia e Paulo Guedes se reuniram para fechar uma defesa pela manutenção do teto de gastos


saiba mais

O empresário e um dos fundadores da Localiza, Salim Mattar, e o economista Paulo Uebel pediram demissão depois de um ano e meio de dificuldades para implementar no governo as medidas para quais foram convidados a integrar o governo Bolsonaro: as privatizações e a reforma administrativa, duas das quatro principais agendas de Guedes, além das reformas da Previdência e tributária.

Auxiliares de Guedes reconhecem que esse é um dos momentos mais difíceis para ele desde o início do governo e temem que ele também possa pedir demissão.

"Se me perguntarem se houve uma debandada hoje (ontem), houve", disse Guedes a jornalistas, depois de se reunir com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Segundo o ministro, apesar das demissões, o governo vai "avançar com as reformas". "Nossa reação à debandada que ocorreu vai ser avançar com as reformas", afirmou.

Segundo Guedes, Mattar saiu porque está insatisfeito com o ritmo das privatizações no governo. "O establishment não deixa. Não avançamos nas privatizações com a mesma velocidade do que na Previdência", disse Guedes. Já Uebel pediu demissão por discordar da estratégia do governo federal de deixar parada a reforma administrativa, que faz uma reformulação do RH do Estado. Guedes disse que o "timing" da reforma, engavetada pelo presidente Jair Bolsonaro por mexer com o funcionalismo público, é "político".

Com as duas saídas de ontem, a equipe econômica soma agora cinco baixas. Nas últimas semanas, Mansueto Almeida já havia deixado o Tesouro Nacional, Caio Megale deixou a diretoria de programas da Secretaria Especial da Fazenda e Rubem Novaes anunciou que deixará a presidência do Banco do Brasil.

A queda de Mattar e Uebel, considerados liberais "puro sangue" do governo, foi interpretada com uma derrota da agenda liberal de Guedes em troca da reeleição do presidente Bolsonaro, que se aproximou de lideranças políticas contrárias à reforma administrativa e à venda das estatais.

Durante a campanha eleitoral, o conflito do presidente, um político com viés desenvolvimentista, e a agenda liberal do seu superministro Paulo Guedes, o seu "posto Ipiranga", foi previsto por economistas e cientistas políticos. A crise da pandemia de covid-19 acirrou os conflitos entre os dois grupos e antecipou a disputa por conta dos planos da retomada econômica, segundo admitem fontes do governo.

Mattar, um dos grandes financiadores do desenvolvimento do movimento liberal no País, nos últimos anos, vinha manifestando desconforto nos bastidores com as resistências em avançar nas privatizações, entre elas, dos Correios e estatais ligados à área de infraestrutura. Há duas semanas, diante de notícias de que deixaria o governo, chegou a disparar mensagens pelo celular e nas redes sociais que continuava animado com o trabalho em Brasília. Ele chegou ao governo com um dos nomes mais festejados da equipe de Guedes.

Deixam a equipe:
Com as saídas de Mattar e Uebel, são cinco os integrantes da equipe econômica que deixaram o governo desde o ano passado. Além dos dois, já haviam saído

Os que informaram a saída ontem:
Salim Mattar, secretário especiais de Desestatização e Privatização;
Paulo Uebel, secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital 

Os que já tinham anunciado a saída:
Caio Megale (ex-diretor de programas da Secretaria Especial de Fazenda)
Mansueto Almeida (ex-secretário do Tesouro Nacional, que pediu para sair)
Rubem Novaes (ex-presidente do Banco do Brasil, que também se demitiu)