Guedes: Medidas já somam 2,6% do PIB

Publicação: 2020-04-01 00:00:00
A+ A-
Brasília (AE) - As medidas de combate aos impactos econômicos do novo coronavírus já somam 2,6% do Produto Interno Bruto (PIB), disse nesta terça-feira, 31, o ministro da Economia, Paulo Guedes. O ministro também elogiou o desempenho do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que nos últimos dias tem defendido o isolamento social - medida que protege a população do novo coronavírus, mas também tem impactos sobre a atividade econômica. "Mandetta está administrando a primeira onda, de saúde, está com plano de combate bem definido", afirmou Guedes.

Créditos: Marcello Casal Jr/ABRO ministro Paulo Guedes afirma que os investimentos seguirão para proteção do emprego no PaísO ministro Paulo Guedes afirma que os investimentos seguirão para proteção do emprego no País


O ministro citou uma série de iniciativas já anunciadas, como liberação de compulsórios para dar maior poder de fogo aos bancos na oferta de crédito, antecipação de 13º de aposentados e pensionistas do INSS, inclusão de famílias no Bolsa Família e criação de auxílio emergencial a trabalhadores informais. Ele também citou medidas para proteger o emprego de quem tem carteira assinada, que devem sair "hoje ou amanhã".

"Estamos lançando esses recursos, já somamos 2,6% do PIB nesse Orçamento de Guerra e que chamo de medidas emergenciais", disse Guedes, em referência a como os gastos "paralelos" da crise estão sendo chamados. "Já tínhamos um déficit estrutural de 2,6% e já está em 5,2% do PIB."

Segundo Guedes, Bolsonaro orientou a usar todos os recursos necessários para defender a saúde e o emprego dos brasileiros. "Instrução do presidente foi clara, não vai ficar nenhum brasileiro para trás", comentou. "Já passamos de R$ 700 bilhões no dinheiro mobilizado para receber o impacto sobre a saúde. Além das medidas creditícias, temos medidas de suplementação salarial e manutenção de renda", disse.
O ministro destacou que a decretação de calamidade pública deu espaço para o governo "esticar os recursos" e começar a gastar mais sem se preocupar tanto com a meta fiscal para o ano, que permite déficit de R$ 124,1 bilhões.

No entanto, Guedes afirmou que ainda há um "problema técnico" de liberação de fontes, e que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Orçamento de Guerra que está sendo articulada com o Congresso tratará da "velocidade de liberação de fontes". Ele disse que restam apenas trâmites jurídicos e legislativos. Guedes repetiu que o Brasil estava concentrado em reformas estruturantes quando foi atingido pelo vírus. "Assim que tivemos a confirmação da gravidade da crise, começamos a fazer primeiras medidas", afirmou. 

Auxílio
A criação do auxílio emergencial aos trabalhadores informais foi classificada por Guedes como "a maior rede de proteção social já estendida" no País. A lei que oficializa o benefício, no entanto, ainda não foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro.

A criação de um auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores informais foi aprovada na semana passada pela Câmara dos Deputados e na segunda-feira no Senado Federal. Desde então, a hashtag #PagaLogoBolsonaro tem sido uma das mais comentadas nas redes sociais, e há forte pressão do Congresso para que os repasses comecem logo. O Ministério da Cidadania, porém, sinalizou com o início dos pagamentos na segunda quinzena de abril.

O presidente precisa sancionar a lei, editar um decreto e publicar uma Medida Provisória, com vigência imediata, para liberar os recursos no Orçamento. Nenhuma dessas etapas foram cumpridas até o momento.

"É a maior rede de proteção social que já foi estendida", disse Guedes. "São entre R$ 60 bilhões e R$ 80 bilhões para a defesa da saúde dos brasileiros", acrescentou o ministro.







Deixe seu comentário!

Comentários