Cookie Consent
Natal
"Há falhas enormes e o Estado não está cumprindo um dever constitucional"
Publicado: 00:00:00 - 07/06/2017 Atualizado: 23:49:34 - 06/06/2017
Entrevista com George Antunes, secretário de Saúde Pública do Rio Grande do Norte.

O que motivou a publicação do decreto de calamidade?

A situação de calamidade na área de saúde é de conhecimento público, faltava um documento para que o Governo do RN reconhecesse formalmente a precariedade dessa realidade. Há falhas enormes em todas as esferas, e o Estado não está cumprindo um dever constitucional. Hoje, a Sesap trabalha sob demanda judicial, isso significa que não fazemos o dever de casa. Temos que ser proativos.

Na prática, o que esse decreto  de calamidade significa?
Com o decreto, podemos pleitear um aumento no teto dos repasses do Governo Federal. O RN não está sendo remunerado na mesma proporção das ações desenvolvidas, principalmente a assistência na área hospitalar. A contrapartida financeira do Ministério da Saúde não tem acompanhado a demanda na mesma proporção. O documento também coloca o governador Robinson Faria em condição de voltar a conversar com presidente Michel Temer, mas agora com o reconhecimento de fato e de direito do estado de calamidade.
Alex Régis
George Antunes

George Antunes


Leia Mais

O que é mais emergencial nesse momento de calamidade?
As emergências são simultâneas: precisamos implantar 60 leitos de UTI, 30 de forma imediata (20 em Natal e 10 em Mossoró) e outras 30 até o fim do ano – até lá teremos que fazer adequações na estrutura dos hospitais em Pau dos Ferros, Caicó e Currais Novos. Outra urgência é buscar a normalidade do abastecimento de medicamentos e insumos. O decreto trará agilidade aos processos licitatórios, que às vezes se arrastam por meses. Também vamos investir na aquisição de equipamentos e em tecnologia que possa reduzir o custeio.

O Governo do RN autorizou a realização de concurso público para suprir o déficit de mão de obra na Sesap?
Autorizou, e acredito que o decreto também possa agilizar a realização do concurso. Inclusive, esperamos que possa aumentar a capacidade de contratação: de 2014 para cá a Sesap perdeu mais de 2 mil servidores (entre aposentados, demitidos, exonerados, afastados, licenciados e falecidos) – esse ano foram mais de 500 aposentadorias. A Secretaria de Administração já contratou uma empresa para preparar o concurso, que a princípio abre 400 vagas.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte