Hacker é preso após invadir sites e assinar recibo comprovando extorsão

Publicação: 2011-09-14 07:23:00
A Delegacia Especializada em Falsificações e Defraudações (DEFD), com apoio do Núcleo de Inteligência da Polícia Civil (NIP), prendeu nesta terça-feira (13) à noite o hacker Djanilton Xavier Silva dos Santos, 20, logo após ele sair de uma empresa especializada em gerenciamento de sites, levando a quantia de 500 reais, frutos de extorsão.

Djanilton Xavier é sócio de uma lan house, no bairro de Felipe Camarão, onde mora, na zona Oeste de Natal. O outro dono do estabelecimento é soldado do Exército João Leno Moura do Nascimento, que disse aos policiais não saber da prática criminosa praticada pelo acusado.
Djanilton Xavier é sócio de uma lan house, no bairro de Felipe Camarão
Segundo policiais que participaram da investigação, há cerca de cinco meses, Djanilton começou a invadir sites, quando verificou alguns sob a responsabilidade da empresa que virou seu alvo, sediada em Capim Macio, zona Sul da cidade. Por e-mail, o hacker comunicou às vítimas que continuaria a agir, mas que poderia dar uma trégua, caso fosse recompensado financeiramente.

O dono do estabelecimento entrou em contato com policiais da DEFD, na segunda-feira (12), comunicou o fato e disse que no dia seguinte havia marcado o encontro com o acusado, que buscaria a quantia exigida, por volta das 18 horas. Djanilton assinou um recibo se comprometendo em passar dois anos sem agir contra os sites administrados pela equipe daquele estabelecimento e demonstrou ter amplo conhecimento na área da informática, tudo na presença de um policial disfarçado de funcionário da firma. Na saída, ele recebeu voz de prisão.

Na carteira de Djanilton, o dinheiro recebido minutos atrás. De Capim Macio, ele foi levado à sua casa, onde os policiais fizeram uma revista, mas nada encontraram que tivesse relação com o fato. Acompanhados de um perito do Instituto Técnico-Científico de Polícia (Itep), os agentes de Polícia Civil levaram Djanilton, conhecido como “Djan”, à lan house, onde o computador utilizado por ele foi examinado pelo especialista e apreendido.

Djanilton contou que utilizava o codinome “D3XSS” para “se divertir invadindo os sites” e também se dizia líder do “Comando C3PRO”, quando se conectava à rede mundial de computadores. O preso contou que o fato de ter começado a trabalhar numa lan house despertou sua curiosidade para saber como os hackers agiam e garante ter aprendido tudo sozinho.

Foi na lan house que os policiais souberam que Djanilton Xavier era sócio do soldado João Leno. A mãe do militar, ao perceber a movimentação no estabelecimento comercial, foi até lá, disse estar surpresa com a prisão de “Djan” e, por telefone, falou com o filho, que estava de serviço e foi levado à Delegacia de Plantão da Zona Sul, onde afirmou não saber do envolvimento do acusado com crimes cibernéticos. Djanilton foi preso por extorsão, caracterizada pelas ameaças que fez por e-mail e pelo recibo assinado por ele.

* Fonte: Sesed.

Leia também: