Hierarquia da inteligência

Publicação: 2021-01-10 00:00:00
Diogenes da Cunha Lima  
Escritor, advogado e presidente da ANL 

É um afago ao nosso coração pertencermos ao gênero humano do qual fazem parte pessoas como Aristóteles, Jesus Cristo, Leonardo da Vinci, William Shakespeare e Nikola Tesla. Estamos acostumados a pensar, apenas, no que foi produzido no mundo ocidental. Esquecemos até de Lao-Tsé e Confúcio.

Certamente, você, leitor, terá visão diferente dos que integram a cimeira da inteligência humana, outros ícones.

Um sem número de gênios existiram, funcionaram e, mesmo assim, morreram sem deixar memória, não há lembranças dos seus nomes. Se civilizações desapareceram, como não os que dela participaram? É possível imaginar quantas personalidades desapareceram sem deixar rastro, mesmo tendo chegado ao extremo do pensamento, do saber, compreender, solucionar problemas. Quantos assim os nascidos na Índia, China, no oriente médio em África, nas civilizações inca, maia, asteca, entre os Indígenas.

Aristóteles (384 a.C. - 322 a.C.) dominou a sabedoria, ciência e lógica, e criou formulações éticas insuperáveis. Sabia das leis físicas à metafísica, da biologia à zoologia, da poesia à música. E mais que tudo, estabeleceu como finalidade do ser humano a busca da felicidade no cotidiano.

Jesus Cristo, que divide a nossa era, independentemente de ser O Filho de Deus, de sua transcendente alteridade, estabeleceu valores morais definitivos, criadores da consciência pessoal e coletiva. Foi o inventor do humanismo verdadeiro, provando ser o homem imagem e semelhança divina, não discriminando credo, raça, cor, condição social. Nem as mulheres. O seu ensinamento tornou-se base dos direitos humanos, do comportamento exemplar. É o padrão ético de toda humanidade. Da contemplação das belezas naturais. Sobre as flores do campo (seriam as xananas de lá), afirmou que: “Nem mesmo Salomão, em toda sua glória, se vestiu como qualquer deles”. (Mateus 6:29)
Leonardo da Vinci (1452 – 1519) ocupou o posto mais alto da inteligência, como pintor, cientista, inventor pioneiro. 

Insatisfeito, sempre exigiu mais de si mesmo. Chegou a afirmar: “Pequei contra Deus e contra os homens, porque o meu trabalho não atingiu a qualidade que deveria ter”.

Willian Shakespeare (1564 – 1616), como poeta e dramaturgo, atingiu mais alto posto da hierarquia intelectual. Fixou o homem como personagem sempre ator no palco da vida. Harold Bloom, o mais apaixonado de seus críticos, pergunta: “O que seria o homem antes de Shakespeare?”. Ele mesmo responde: “Pessoa sem dimensão, quase inexistente”.

Nikola Tesla (1856 – 1943) foi matemático, físico, engenheiro elétrico, mecânico, inventor. Depois da incomparável injustiça feita contra Jesus Cristo, ele foi o mais injustiçado. Era um expatriado. Nasceu na Croácia filho de sérvios, sob o império austríaco. Morou na Eslovênia, em Budapeste, na França, tornando-se, depois, cidadão norte-americano. Além de latim, falava servo-croata e alemão, como línguas nativas, esloveno, húngaro, francês e inglês. Inventou a corrente elétrica, a comunicação sem fio e antecipou a invenção de coisas mais simples do nosso dia a dia, como o wi-fi, o celular, o micro-ondas. Imaginou energia elétrica gratuita para toda a humanidade. Elon Musk, dono do carro elétrico, revive sua memória e pretende levar o homem a habitar em outros planetas.