Holandês resgatado após ataque de tubarões relata drama

Publicação: 2015-02-02 13:12:00 | Comentários: 0
A+ A-
 “Pedalar no mar” até chegar na América do Sul. Era esse o objetivo do velejador resgatado pela Marinha na última quinta-feira (29), a 1.000 km ao norte do litoral potiguar, após ter sua embarcação atacada por tubarões e ficar à deriva em alto-mar.
Humberto SalesVelejador holandês Ebrahim Hemmatnia ficou à deriva após barco ser atacado por cardume de tubarõesVelejador holandês Ebrahim Hemmatnia ficou à deriva após barco ser atacado por cardume de tubarões

Iraniano naturalizado holandês, o aventureiro Ebrahim Hemmatnia, de 38 anos, saiu de Dakar, capital do Senegal, na África, no dia 23 de novembro do ano passado, em uma embarcação movida a pedal que também pode ser adaptada para ser usada em terra, como uma bicicleta. Nesses dias todos, ele se manteve com comida de astronauta e água da chuva e do mar, usando um equipamento dessalinizador. (Veja o site com informações da viagem)

Na manhã de hoje, 2, o navio- patrulha Macau, que participou do resgate, retornou à Base Naval de Natal trazendo Ebrahim e sua embarcação, que teve o leme e a escotilha danificados pelos tubarões e, por isso, não pôde seguir viagem.  Falando em inglês e holandês, o estrangeiro se comunicou com os jornalistas com a ajuda da cônsul honorário da Holanda no Brasil, Monique Degens. 

Ebrahim contou que trabalha na Holanda como cartógrafo (fazendo mapas) e que partiu de Dakar no dia 23 de novembro, em sua embarcação especial. Ele se dirigia à Fortaleza. Na capital do Ceará, faria a adaptação da embarcação, virando-a ao contrário e colocando pneus, para transformá-la em bicicleta e continuar a aventura por terra até o Rio de Janeiro. O próximo roteiro seria Lima, no Peru, também por terra.
Humberto SalesVelejador holandês Ebrahim Hemmatnia ficou à deriva após barco ser atacado por cardume de tubarõesVelejador holandês Ebrahim Hemmatnia ficou à deriva após barco ser atacado por cardume de tubarões

Seria, não. Será! Mesmo com o susto que passou com o ataque dos tubarões, Ebrahim se mostrou o tempo todo muito bem-humorado e decidido a continuar a viagem. “Fiquei com medo na hora, mas sentia que ia sobreviver”, disse ele, que depois de desembarcar na Base Naval de Natal e falar com a imprensa foi levado pela Marinha à Polícia Federal e Receita Federal, para regularizar sua documentação.

“Depois disso e de consertar a embarcação, ele vai poder retomar sua viagem normalmente”, informou o comandante Robledo, chefe de Operações do Comando do 3º Distrito Naval.

A Marinha recebeu o sinal de alerta da embarcação de Ebrahim no final da tarde da última quarta-feira, 28, por meio da Guarda Costeira da Holanda. Diante da informação, foi determinado que o navio-patrulha Macau, que estava atracado na Base Naval de Natal, se deslocasse para a área.

Para auxiliar nas buscas, a Marinha contou também com o apoio de uma aeronave da Força Aérea Brasileira, que localizou o bote na quinta-feira (29).

A pedido da Marinha, o resgate foi feito pelo barco pesqueiro Ouled si Mohand, da empresa Europesca, que se encontrava nas proximidades do local e que prestou apoio até a chegada do navio-patrulha Macau, na madrugada de sábado (31).

Segundo o comandante do navio, capitão de corveta Bruno Emilião, o resgatado encontrava-se bem de saúde, apesar de um pouco assustado. “Levamos um médico a bordo que o examinou e constatou que ele estava bem de saúde”.

Atualizada às 14h33.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários