Homicídios aumentam após a Copa

Publicação: 2014-07-01 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Pedro Andrade e Valdir Julião
repórteres

A capital potiguar volta a registrar índices elevados de homicídios, no primeiro fim de semana após os jogos da Copa do Mundo em Natal, quando maior parte do efetivo de reforço da Força Nacional, Exército e Polícia Federal já deixou a cidade. Entre a sexta-feira, 27, e a madrugada de ontem, 30, o Instituto Técnico-Científico de Polícia (Itep) somou 19 homicídios na Região Metropolitana de Natal, dos quais seis na capital. No mesmo período, oito mortes violentas foram registradas em Mossoró, no Oeste potiguar.
Emanuel AmaralBar do Chiquinho, nas Rocas, registrou dois assassinatosBar do Chiquinho, nas Rocas, registrou dois assassinatos

Os 19 homicídios mostram aumento sequencial em relação aos finais de semana anteriores. Nos dois últimos, compreendendo o período da Copa em Natal, do dia 13 ao 15 e do 20 ao 22, ocorreram dois e dez homicídios, respectivamente. De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar do Estado, coronel Francisco Canindé de Araújo Silva, o policiamento da Copa do Mundo não deve ser associado diretamente às mortes. “O policiamento da Copa não conta para as cidades vizinhas, era só em Natal. Já os casos perto da Fan Fest foram por rixas ou acerto de contas, nada relacionado ao evento”, disse.

Essas mortes dizem respeito aos assassinatos de Francisco Luiz de Oliveira Nunes, 37 anos, e de Valter de Oliveira Souza, 48 anos. Ambos morreram no Bar do Chiquinho, nas Rocas, no sábado passado. No mesmo dia, Jefferson Denis de Brito, de 20 anos, foi morto no bairro vizinho de Santos Reis.

A Polícia Militar estava com 2.200 homens atuando na cidade em dias de jogos na Arena das Dunas, com pagamento de diária operacional àqueles que precisaram trabalhar em suas folgas. Mas desde a terça passada, 24, (quando terminou a Copa em Natal), voltou a operar com o efetivo normal de 800 PMs para a Região Metropolitana de Natal. Segundo o coronel Araújo, além do tradicional, o número de policiais de serviço na região da Fan Fest, na Praia do Forte, varia de 80 a 200 diariamente.

Segundo ele, a presença do efetivo reforçado – inclusive do Exército – inibiu ações criminosas, mas a ação ostensiva da PM deve ser mais forte. “Precisamos ter mais efetivo, motocicletas e viaturas para fazer uma presença de forma mais intensificada. Mas, também precisamos da repressão qualificada, as investigações, que levem esses criminosos às prisões”, avaliou.

Para a ação ostensiva, Araújo afirma que os 150 Renault Duster e 60 motocicletas BMW compradas pelo Governo do Estado para a PM devem ajudar e lembrou do problema das viaturas da corporação. “A mobilidade é um problema para acompanhar as ocorrências. Hoje temos essa dificuldade por causa das condições das viaturas, mas vamos chegar de forma mais rápida, quando os veículos estiverem na rua”, disse Araújo.

Das novas aquisições, 17 viaturas e as 60 motos estão sendo emplacadas e entram em circulação até o fim desta semana. Os carros serão distribuídos para cada um dos seis batalhões de área e para o Batalhão da Polícia de Choque (BPChoque). Porém, todos os batalhões devem receber viaturas. Já as motos serão para Rocam e Polícia Rodoviária Estadual.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários