Natal
Humorista potiguar Cremosinho quer conquistar País com stand up
Publicado: 00:00:00 - 15/05/2022 Atualizado: 10:58:19 - 14/05/2022
Felipe Salustino
Repórter

Ele soma mais de 5 milhões de seguidores no Instagram, 1,1 milhão no próprio canal do YouTube e agora quer investir pesado em stand up comedy. A ideia é chegar “pelo menos pertinho do patamar de Whindersson Nunes”, de quem é fã inveterado. Aos 21 anos, o humorista Cremosinho, natural de Caicó, no Seridó Potiguar, é sucesso na internet desde que um vídeo dele viralizou em 2017. No post, publicado no Facebook, ele aparece cantando e performando ao som de Xenhenhém, música interpretada originalmente pela banda baiana Psirico.
Tiago Rocha
Cremosinho viralizou nas redes sociais em 2017, cantando música do Psirico. Hoje, ele tem mais de 5 milhões de seguidores

Cremosinho viralizou nas redes sociais em 2017, cantando música do Psirico. Hoje, ele tem mais de 5 milhões de seguidores


Antes de arrastar milhões de seguidores, Gilderlan André, o Cremosinho, revela que a jornada para chegar até aqui foi longa. “Na verdade, faço vídeos há pelo menos 11 anos. Quando eu ainda era um estudante em Caicó, fiz o primeiro, com a música Muriçoca. Alguns amigos tinham celulares melhores e me ajudaram na gravação. Postamos no Facebook e já teve um bom alcance”, relata. Cremosinho conta que sempre foi extrovertido e que tinha facilidade para o vídeo.

“Mas antigamente não existia essa tecnologia de hoje nem eu tinha dinheiro para comprar uma câmera ou celular. Depois do vídeo da Muriçoca, a gente lançou o Xenhenhém, que foi o ‘pipoco master’. Na verdade, a gente gravou o conteúdo em 2015, mas só estourou em 2017, quando já estava na gaveta, vamos dizer assim. Nem esperava mais que o material viralizasse”, confessa o humorista.

Após ‘estourar’, o vídeo chegou rapidamente aos 3 milhões de visualizações e o humorista ganhou o apelido pelo qual é conhecido hoje em dia. “Os internautas começaram a me chamar de Cremosinho. A galera falava: ‘o bicho é cremoso’. Deve ser pelo fato de eu ser tão gostoso. Também não entendi muito, mas já que botaram [o apelido] eu achei melhor do que chamar de Gilderlan. E agora vai ser assim até morrer. Imagine aí, eu já velho e as pessoas dizendo: ‘bora, Cremosinho?’”, afirma, entre risos.

A escalada para o sucesso veio acompanhada de muitas parcerias. Bruno Diferente, Márcia Fellipe, Tirullipa e Ruivinha de Marte estão entre os famosos com quem Cremosinho já teve a oportunidade de trabalhar. Com Tiago Dionísio, também potiguar e amigo, a relação é de longa data, antes mesmo de os dois alcançarem o sucesso que desfrutam no momento.

“Somos parceiros antigos. Já gravamos muito juntos, antes de a gente estourar. Já fiz show com Tiago e temos uma longa história de corrida atrás da fama”, recorda. “Nesse meio, existe muita rivalidade, mas graças a Deus, consegui fazer muitos amigos. Eu acredito que a gente só cresce quando se ajuda e não adianta ser egoísta na internet”, completa ele sobre o trato com os colegas.

Até porque, na avaliação do humorista, o que garante sucesso hoje no meio digital é a abordagem de temas que estão em alta (uma música, uma dança no Tik Tok ou um tema político, por exemplo). Além disso, Cremosinho gosta de mostrar nas redes sociais as conquistas alcançadas ao longo da carreira, como forma de instigar quem está começando, a seguir em frente.

“Não é por ostentação, é para que aqueles que estão começando pensem: se o cara lá de Caicó conseguiu, eu vou conseguir também”, relata. No caso específico do conteúdo criado para o Instagram, Cremosinho garante que não há um planejamento, mas o material passa por um filtro antes de ser publicado. 

Os posts na rede social costumam ter uma pegada de humor escrachado e os seguidores correspondem sempre com milhares de curtidas e comentários. “O que me vem à mente eu faço. É um processo natural. Mas tenho uma assessoria que me orienta sobre as postagens, porque não pode ser nada prejudicial”, diz ele, sobre as publicações.

Humorista lançou show de stand up

O sucesso na internet deve servir agora para o humorista emplacar novos projetos, como o stand up ‘E é o empresário é?’, que estreou no último dia 10 de abril, em Manaus (AM). O show segue agora para uma pequena turnê no Maranhão e deve chegar a Natal em breve. Focado em fazer a nova empreitada decolar, Cremosinho conta que usa outro grande humorista como inspiração: o piauiense Whindersson Nunes.

Tiago Rocha


“Ele é meu ídolo no humor e na vida. Sou fã de Whindersson pela história de sucesso e por ele ter começado bem lá debaixo e hoje conseguir lotar teatros, que é o meu sonho. Por isso, agora estou focado apenas no stand up para ver se eu consigo chegar pelo menos pertinho do patamar de Whindersson Nunes. Estamos trabalhando duro”, afirma.

Atualmente, para dar conta da rotina puxada, Cremosinho conta com a colaboração de uma equipe formada por um filmmaker, um assessor e um motorista. O humorista tem passado mais tempo em Fortaleza (CE), que é onde existe “mais network, assim como em São Paulo”. Entretanto, ele não dispensa uma breve passagem por Natal e por Caicó de vez em quando, como fez esta semana ao receber a reportagem da TRIBUNA DO NORTE.

As raízes, aliás, estão sempre firmes no discurso e nas atividades do humorista, que pretende disseminá-las por onde for. “É muito gratificante sair de um lugar como Caicó e ganhar o Brasil. Sempre vou levar o nome da minha cidade e do meu estado para todo o País”, sublinha, convicto.

Sobre a passagem do show de stand up pela capital potiguar, Cremosinho afirma que pretende afinar ainda mais a apresentação em outras capitais antes de trazê-lo para cá. “Daqui a uns dois meses, a gente pretende chegar a Natal, com algo mais organizado. Como eu comecei agora [no stand up], as coisas ainda estão se encaixando. O show conta algumas histórias da minha vida de uma forma bem extrovertida”, descreve.

Cremosinho teve dificuldades antes da fama
 A infância e adolescência de Cremosinho foram marcadas pelas adversidades de uma vida com poucos recursos, no interior do Estado. Filho de uma doméstica, o caçula de cinco irmãos não esconde que já passou por dias em que não tinha sequer o que comer. As dificuldades não cessaram nem mesmo quando ele viralizou pela primeira vez na internet, conforme relatos próprios, que lhe marcam até hoje.

Num episódio que ocorreu em 2018, ele relembra um pedido feito pela mãe antes de uma apresentação em Assu, na época em que Cremosinho se apresentava em circos na tentativa de conseguir alguma grana. Segundo conta, quando a bilheteria era boa, ele recebia cerca de R$ 50 por show. O valor era repartido ao meio com o empresário.

“Naquela época eu já era bastante conhecido no RN, mas ainda não tinha despontado lá fora. Pouco antes de entrar no picadeiro, durante uma apresentação, meu celular tocou. Era minha mãe. Atendi, achando que estava ligando para desejar boa sorte, mas aí ela falou ‘Gilderlan, cortaram a água daqui de casa hoje de manhã. Se puder, traz um dinheirinho para pagar a conta’”, rememora.

“Entrei no palco desnorteado, pensando no que ia dizer a ela. O dinheiro que eu iria ganhar no show mal daria para pagar a água que eu tomaria ali. Imagina se iria sobrar grana para pagar as contas de casa? Essa situação me deixou muito perturbado e esse foi o pior show que eu fiz”, completa o humorista.

As dificuldades financeiras ficaram para trás à medida que Cremosinho ganhou projeção nacional, algo que aconteceu quando ele passou a integrar o canal 'Mansão Maromba', do youtuber e influenciador Toguro. O encontro entre os dois se deu no final de 2020, a convite do próprio Toguro. A participação no projeto veio em um momento delicado da vida do humorista, mas foi fundamental para uma guinada.

É que a carreira do potiguar estava travada, por causa de uma depressão que começou logo no início de 2020. “Não tinha vontade de produzir conteúdo e comecei a perder seguidores. Estava vendo tudo ir para o ralo. O sonho de conseguir uma casa para minha mãe, de ter uma vida melhor e de ser um 'pop star' estava cada vez mais distante”, relata. O humorista começou, então, um tratamento à base de remédios, feito com o acompanhamento de um psiquiatra. “Quando Toguro me chamou para o Mansão Maromba foi uma luz no fim do túnel e tudo que estava prestes a acabar, ressurgiu”, recorda.

O humorista confessa que até duvidou do convite do influenciador para integrar o projeto. “Recebi uma mensagem pelo direct do Instagram. Eu nem sabia quem era Toguro. Fiquei com medo que ele me sequestrasse. Minha mãe pensou igual, mas como era o próprio quem estava pagando minhas passagens, embarquei para São Paulo assim mesmo. O interesse dele pelo meu trabalho começou porque eu estava fazendo alguns vídeos de maromba.”, comenta, de forma divertida.

Com a nova fase proporcionada pelo projeto e o reconhecimento do País, a situação de Cremosinho hoje é bem diferente. Está reformando uma casa para a mãe, comprou carros de luxo e fez harmonização facial. “Minha principal conquista foi nossa residência. Nós passamos 20 anos pagando aluguel, às vezes tendo que escolher se quitava a mensalidade [do aluguel] ou se comia”, relata.

“O sonho da minha mãe era ter uma casa. Foi a primeira coisa que eu fiz quando comecei realmente a ganhar dinheiro. Nossa casa tem uma história bem bonita, porque lá morava uma senhora, a dona Francisca. Quando eu passava fome, era a ela a quem eu pedia ajuda. Então, é muito gratificante, alguns anos depois, comprar aquela casa. Estou reformando  e está ficando tudo bem bacana”, afirma, orgulhoso.

Em seguida, sem deixar a brincadeira de lado, o humorista dispara: “E sobre a harmonização, eu fiz porque sempre fui feio demais, Então, apareceu uma parceria e coloquei uns cinco litros de botox no rosto. Não melhorou muito, mas as meninas gostaram demais”, diz, sem perder o riso.

Confira entrevista:

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte