Ibama libera R$ 40,5 mil em cartão de compras para servidores que atuam na limpeza das praias

Publicação: 2019-10-22 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O Ibama ampliou, de R$ 4 mil para R$ 8,5 mil mensais, o limite de gastos que alguns de seus servidores públicos podem gastar com cartões de compra, para facilitar a aquisição de itens básicos de segurança e ferramentas para remoção da borra de petróleo que contamina todo o litoral do Nordeste desde 30 de agosto.

O órgão chegou a analisar a possibilidade de fazer uma compra emergencial desses suprimentos, mas avaliou que essa opção poderia levar muitos dias para se concretizar. Por isso, decidiu ampliar o limite de compra dos "cartões corporativos" repassados às chefias do Ibama em cada um dos nove Estados do Nordeste.

Na prática, o impacto financeiro da medida é irrisório, dada a dimensão do desastre que já afetou 187 áreas, em 77 municípios,  e mais de 2,1 mil quilômetros do litoral brasileiro. Apenas um servidor em cada Estado possui esse cartão, ou seja, somente nove funcionários do Ibama são beneficiados pela medida. Na prática, portanto, o Ibama está liberando R$ 40,5 mil para compra de equipamentos de proteção individual (EPI), o que inclui itens como sacos plásticos, luvas, botas e máscaras, além de ferramentas como pás e enxadas, entre outras ferramentas básicas.

O órgão ambiental federal também conta com um número reduzido de servidores em ação em todo o Nordeste: são apenas 73 servidores espalhados pelas praias afetadas pela borra de petróleo. No último fim de semana, se intensificaram as reclamações de que o governo federal demorou para agir contra o avanço do petróleo nas praias, além de não ter acionado imediatamente o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob Jurisdição Nacional.

Além disso, a extinção por parte do governo Jair Bolsonaro (PSL), em abril, de dezenas de conselhos da administração federal deu fim a dois comitês que integravam o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Água (PNC), instituído em 2013. Na quinta-feira (17), o Ministério Público Federal entrou com ação contra a governo federal por omissão.





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários