Natal
Igreja faz casamento homoafetivo
Publicado: 00:00:00 - 22/08/2018 Atualizado: 22:51:46 - 21/08/2018
Anthony Medeiros
Repórter

O sonho de casar na igreja, seja ela qual for, ainda é tido como plano de vida para homens e mulheres de Brasil. Para casais homoafetivos, no entanto, esse sonho é muitas vezes deixado de lado e uma das motivações dessa mudança de planos é o casal não ter seu relacionamento reconhecido pela religião a qual segue. Porém, casais homoafetivos da capital potiguar terão a oportunidade de  concretizarem os seus relacionamentos em matrimônio reconhecido pela igreja. A  Comunidade Cidade de Refúgio, igreja evangélica da Zona Sul de Natal,  irá realizar no dia 10 de novembro, no Olimpo Recepções, um casamento comunitário que permitirá o enlace matrimonial de casais hétero e homoafetivos. De acordo com Daniela Modesto, pastora da igreja, que também é advogada e integrante da Comissão da Diversidade Sexual da OAB/RN, a celebração acontecerá “por amor ao evangelho”.

Cedida
Comunidade evangélica Cidade de Refúgio celebrou casamento de 10 casais homoafetivos. Nova edição já tem dez inscritos

Comunidade evangélica Cidade de Refúgio celebrou casamento de 10 casais homoafetivos. Nova edição já tem dez inscritos


Comunidade evangélica Cidade de Refúgio celebrou casamento de 10 casais homoafetivos. Nova edição já tem dez inscritos

“Celebramos o amor. Os casais homoafetivos viviam à margem de todos os direitos que um casamento religioso proporciona, sem ter um local que pudesse recebê-los para confirmar sua união. É por isso que vamos fazer (os casamentos) com muita alegria, pois está no evangelho que esse direito deve ser estendido para todas as pessoas”, comenta Daniela, que pastoreia a igreja há quatro anos.

Ainda de acordo com a pastora, qualquer casal poderá aderir ao casamento comunitário. A única exigência é a assinatura de um termo de consentimento, concordando em ter seu casamento celebrado sob o rito protestante, sob o qual a igreja se norteia. Os casais interessados têm até o dia 10 de outubro para fazer o cadastro para a cerimônia. O valor de R$ 350 reais que é cobrado por casal será utilizado para pagar parte dos custos com aluguel do espaço, ornamentação, buffet, entre outros.

A pastora tem expectativa de realizar o casamento de 30 casais. Dos 11  que já se inscreveram para a celebração, apenas um deles é um casal heteroafetivo. Daniela fala com orgulho sobre a igreja a qual pastoreia, porém não se rotula como uma igreja “exclusivamente gay”. “Nós (da igreja) nos enchemos de felicidade por celebrar estas uniões e proporcionar que eles vivam o matrimônio. Porém, não considero nossa igreja 'exclusivamente gay'. Somos pluralistas. Em nossa comunidade, os casais, sejam eles hétero ou homoafetivos, convivem em completa harmonia, celebrando o amor segundo o evangelho”, avalia Daniela.

“Sentimento de gratidão por ter casado”
Esta não é a primeira cerimônia que proporcionou a celebração da união religiosa de homossexuais celebrada pela Comunidade Cidade de Refúgio. Há dois anos, em cerimônia realizada na capela da UFRN, dez casais fizeram parte da primeiro enlace matrimonial envolvendo casais homoafetivos do Estado. Frutos do casamento comunitário,  a autônoma Tomázia Régia de Souza, de 28 anos e a vendedora Roberta de Souza, de 34, se conheceram em 2012 e congregam na igreja desde 2014, ano que a pastora Daniela chegou na igreja. De acordo com a autônoma, casar na igreja sempre foi um sonho do casal, porém  sentiam receio de como seriam tratadas por quererem confirmar o relacionamento em uma cerimônia religiosa. “Ficávamos temerosas sobre como as pessoas iriam nos enxergar após o casamento, porém a reação foi excelente. O respeito só aumentou e foi muito gratificante viver nosso sonho ao lado de outros casais que também tinham como objetivo confirmar seus relacionamentos em uma cerimônia religiosa”, conta Roberta.

Cedida
Roberta e Tomázia casaram ano passado: respeito aumentou

Roberta e Tomázia casaram ano passado: respeito aumentou


Roberta e Tomázia casaram ano passado: ''Respeito aumentou''

Ainda de acordo com a autônoma, após casar, o sentimento que fica é o de gratidão e vontade de fazer com que outros tenham a oportunidade de viverem o que ela e sua esposa viveram. “Eu não conseguiria expressar em palavras o que senti naquela tarde. O sentimento é de uma gratidão enorme por ter casado e, principalmente, por ter alcançado isso na minha igreja. Ela (a igreja) é minha família, foi através dela que consegui me reestruturar emocionalmente e por isso estamos nos dedicando também em dar todo o suporte para que outros casais possam ter a chance de alcançar esse sonho”, conta.

Serviço
II Casamento Comunitário da Igreja Comunidade Cidade de Refúgio

Valor: R$ 350 (por casal)

Data: 10/11 (Sábado)

Horário: 19h

Local: Olimpo Recepções, Av. Omar O'Grady (prolongamento da Prudente de Morais), 7645. Lagoa Nova, Natal.

Informações: (84) 99442-2222, telefone da Pastora Daniela.





Leia também