Imóveis de até R$ 1,5 milhão poderão ser financiados com FGTS

Publicação: 2017-02-17 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Brasília (AE) - Trabalhadores brasileiros poderão usar até dezembro recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para a compra de imóveis de maior valor. Em reunião extraordinária, o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou ontem o aumento do preço de avaliação de residências novas que podem ser compradas com o dinheiro do fundo para R$ 1,5 milhão.
DivulgaçãoAté agora, o valor máximo permitido variava de R$ 800 mil a R$ 950 mil, dependendo da cidadeAté agora, o valor máximo permitido variava de R$ 800 mil a R$ 950 mil, dependendo da cidade

O novo limite será temporário e valerá para operações contratadas entre 20 de fevereiro e 31 de dezembro deste ano. Segundo fontes da área econômica, a intenção do governo é, até o fim do ano, fazer uma nova avaliação do mercado para decidir se há condições de estender o teto para 2018.

O preço de avaliação valerá para todas as regiões do País - até agora, o valor máximo variava de R$ 800 mil a R$ 950 mil, dependendo da cidade.

Também foi estendido até dezembro o limite de R$ 1,5 milhão para imóveis financiados pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH), que usa recursos da poupança e do FGTS e tem taxas de juros mais baixas, limitadas a 12% ao ano. O teto já estava em vigor para compras sem o uso de dinheiro do fundo desde setembro do ano passado, mas o prazo para o limite ampliado acabaria nesta sexta-feira, 17.

O aumento do valor dos imóveis atenderá a uma demanda da classe média e tem o objetivo de desovar o estoque de imóveis e estimular a atividade econômica. De acordo com o diretor da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Luís Fernando Moura, a expectativa é dar vazão às mais de 120 mil unidades residenciais em estoque. "Tivemos uma situação de crédito apertado com juros elevadas, o que levou ao crescimento do estoque dos imóveis para a classe média. Não é o que vai ainda resolver completamente os problemas do setor, mas o humor começa a mudar", afirmou.

Moura não acredita que haverá uma corrida para a compra de imóveis, nem que a medida levará a um aumento nos preços, justamente porque o estoque é elevado. "Precisamos ainda resolver problemas como a questão do distrato e melhorar a economia para ter condições de ter ampliação sobre volume de lançamentos", completou.

Histórico
No fim do ano passado, o governo já havia aumentado os limites para compra de imóveis com uso do FGTS, que passaram de R$ 650 mil para R$ 800 mil em grande parte do País, com exceção do Distrito Federal, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, onde o limite havia passado de R$ 750 mil para R$ 950 mil. O CMN é formado pelos ministérios da Fazenda e do Planejamento e pelo Banco Central.

É a segunda medida anunciada nesta semana envolvendo o fundo. Na terça-feira, o governo divulgou o calendário para o saque das contas inativas no FGTS, o que deve injetar cerca de R$ 35 bilhões na economia.

Poderão ser sacados recursos em contas de trabalhadores que foram demitidos por justa causa ou pediram demissão até 31 de dezembro de 2015. O calendário prevê saques a partir de 10 de março, de acordo com a data do nascimento do beneficiário, até 31 de julho. De acordo com o governo, esse prazo não será prorrogado.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários