IMD busca apoio de bancada federal para ampliar Parque Tecnológico

Publicação: 2019-10-15 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Visando expandir as ações e atividades do Parque Tecnológico Metrópole Digital,   o Instituto Metrópole Digital, da  Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), busca o apoio da bancada parlamentar federal do Estado para angariar recursos para construir um prédio anexo ao IMD e aumentar as dependências do Parque. Atualmente com 47 empresas, sendo 26 delas incubadas no instituto, o objetivo é ampliar, no intervalo de cinco anos, para mais de 100 empresas e gerar dois mil empregos.

Projeto prevê ampliação da sede do Instituto Metrópole Digital para abrigar maior número de empresas do Parque Tecnológico
Projeto prevê ampliação da sede do Instituto Metrópole Digital para abrigar maior número de empresas do Parque Tecnológico

De acordo com o diretor geral do IMD, o professor José Ivonildo  Rêgo, o pleito junto à bancada federal busca recursos da ordem de R$ 30 milhões, divididos em dois anos, que seriam utilizados na construção de um prédio anexo ao já existente. “Os projetos de engenharia e arquitetura já estão prontos para licitar, porque a UFRN vem trabalhando há dois anos nesses projetos”, comenta.

Um documento já foi entregue à bancada ressaltando os trabalhos desenvolvidos no local e contou com apoio de entidades do setor produtivo. A ideia é solicitar emendas no Orçamento Geral da União de 2020 para atender a demanda, considerada estratégica pelo instituto e pela UFRN.

O manifesto foi assinado por Amaro Sales de Araújo, presidente da Federação das Indústrias do Estado do RN (Fiern), José Alvares Vieira, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do RN (Faern), Zeca Melo, superintendente do Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-RN) e Marcelo Fernandes de Queiroz, presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do RN (Fecomercio).

“Hoje nossos espaços estão completamente ocupados e eu não tenho condições de receber nenhuma empresa”, explica Ivonildo. Ele acrescenta ainda que o IMD já trabalha com a possibilidade de atrair grandes empresas, nacionais ou multinacionais, intituladas “âncoras”, que acabam gerando outros empreendimentos de menor escala. “Mas para isso, nós não temos condições de fazer isso hoje. É uma pauta da universidade, mas muito fortemente associada à economia do Estado”, completa.

O diretor geral do IMD explica ainda que a bancada federal já veio ao Parque para conhecer o projeto e se mostrou satisfeita com os resultados obtidos até aqui.

O superintendente do Sebrae-RN, Zeca Melo, ressaltou a importância do Parque Tecnológico para a inserção do Estado na rota da tecnologia da informação e comenta que a entidade é parceira do projeto desde a sua concepção. De acordo com ele, essa expansão significa a “consolidação do Estado no negócio da inovação e tecnologia”.

“Acho que é uma das coisas mais importantes que aconteceram no Estado nos últimos anos. É uma ideia consolidada, são dezenas de empresas que participam da incubadora. Tem a importância da gente trabalhar o tema da inovação e tecnologia. Isso por si só já justifica o nosso apoio. O IMD tem muita coisa a mostrar, é uma experiência muito exitosa e é um tema que cabe muito dentro da proposta de incluirmos essa temática no novo Orçamento  Geral da União”, comentou.

O presidente da Fiern, Amaro Sales, ressaltou a relevância do Parque para Natal e para o RN e citou os negócios estabelecidos e os empregos gerados no complexo. Além disso, citou que, economicamente, o Parque pode trazer ainda mais ganhos para a região.

“A primeira grande contribuição do IMD é justamente no sentido de nos inserir neste mundo mais atual e, assim sendo, nos proporcionar negócios, parcerias e tudo o mais que o círculo virtuoso da economia pode nos proporcionar, com investimentos, prospecção de negócios, geração de renda e evidencia ao empreendedorismo, inclusive, marcadamente jovem, o que é muito bom para a sociedade”, disse.

A reportagem do jornal TRIBUNA DO NORTE procurou a assessoria do deputado federal Rafael Motta (PSB), coordenador da bancada federal, em Brasília, e foi informada que a equipe, durante esta semana, possui uma série de reuniões com prefeitos, entidades e o reitor da UFRN, José Daniel Diniz, para tratar do assunto. Uma reunião está marcada para esta terça-feira entre o deputado e o reitor da universidade.

O Parque
O Parque Tecnológico Metrópole Digital foi criado em agosto de 2017 com o intuito de desenvolver um polo de Tecnologia da Informação no Rio Grande do Norte. Desde a sua abertura, o número de empresas triplicou, saltando de 15 para 47. Ao todo, elas empregam mais de 700 profissionais que exportam serviços para outros estados e até para outros países do mundo.

O Parque reúne todas empresas que desenvolvem soluções na área de Tecnologia da Informação, que envolva processamento, armazenamento e/ou transmissão de dados. As 48 empresas estão instaladas, geograficamente, em cinco bairros no entorno do campus universitário: Lagoa Nova, Nova Descoberta, Candelária e Capim Macio.

Há, inclusive, uma lei municipal que concede benefícios fiscais ao Parque. A Lei Complementar nº 167/2017 diminui a alíquota do Imposto Sobre Serviço (ISS) de 5% para 2%, concede redução de 30% no Imposto de Transmissão Inter Vivos de Bens Móveis (ITIV), além de redução no IPTU e isenção total na licença de localização às empresas de Tecnologia da Informação e Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs) que se implantarem em parques tecnológicos.

Em agosto deste ano, o jornal TRIBUNA DO NORTE publicou a série “Por Trás dos Números – Tecnologia”, uma série de reportagens abordando histórias de empresas e startups vinculadas ao Parque Tecnológico Metrópole Digital (PMTD).

Números
46 é o número de empresas vinculadas ao Parque Tecnológicos

700 é o número de empregos gerados pelo Parque em dois anos

R$ 30 milhões em dois anos é o valor pleitado junto a bancada federal para expandir o Parque

100 é o número de empresas que o Parque poderá obter após a expansão

2.000 é a projeção de empregos  com essa ampliação







continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários