Incêndio atinge viaturas do Corpo de Bombeiros de Pau dos Ferros

Publicação: 2013-12-16 09:59:00 | Comentários: 1
A+ A-
Um incêndio na unidade do Corpo de Bombeiros Militar em Pau dos Ferros, a 400 quilômetros de Natal, atingiu pelo menos sete veículos na madrugada deste segunda-feira (16). De acordo com a assessoria de imprensa da corporação, o suspeito é um soldado da turma mais recente dos Bombeiros.

Era por volta das 2h30 quando os veículos começaram a pegar fogo. Entre os atingidos estão um caminhão com capacidade para 5,5 mil litros de água, uma ambulância resgate, três motos da corporação e dois carros particulares, sendo um de um militar e outro de um civil. Parte da edificação da unidade também foi queimada.

O suspeito foi visto saindo logo após o início do incêndio, em um Ford Fiesta do CBM. O nome do soldado não foi divulgado por ainda não estar confirmada a autoria do incêndio. Diligências estão à procura do desaparecido, que desde a madrugada sumiu com uma viatura da unidade.

Com pouco mais de um ano de serviço, o soldado é parte da turma mais nova. Os Bombeiros afirmam que não houve discussões, e também não há nenhuma informação que indique o que gerou a situação. Apesar de ser visto como uma pessoa reservada, o suspeito não registrou qualquer tipo de problema com a corporação antes dessa madrugada.

Nas buscas tanto pelo soldado quanto pelo responsável, bombeiros, policiais militares e rodoviários estão em diligências, também à procura da viatura utilizada na fuga. Uma equipe do Corpo de Bombeiros de Natal foi a Pau dos Ferros para averiguar a situação.

Inaugurada em 2010, a unidade de Pau dos Ferros é subordinada ao grupamento de Mossoró e tem como objetivo desafogar a demanda dessa cidade, atendendo a região do Alto Oeste. Com atendimento médio de 600 ocorrências por ano, atua com média de 10 militares.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • wagno.braga

    Mesmo os bombeiros ganhando mal, sendo pressionados psicologicamente, sem condições de trabalho, cobrados ao extremo e sem perspectivas de ascensão na carreira, não justifica tal ato. Serve para analisarmos a que ponto os militares e a segurança estão abandonados.