Inflação hoje e amanhã

Publicação: 2019-01-12 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Luiz Antônio Felipe
laf@tribunadonorte.com.br

A inflação oficial pelo IPCA fecha 2018 abaixo da meta, em 3,75%. É  o segundo ano em que o IPCA acabou abaixo do centro da meta como prevista pelo governo, ainda no início do ano, apesar de taxa ter superado os 2,95% de 2017. O IPCA de dezembro tem alta de 0,15% ante queda de 0,21% em novembro, revela o IBGE. Uma nova “luta” já começou para  manter a inflação sob controle em 2019, embora o mercado tenha uma projeção de 4%, acompanhando o desenrolar dos preços e das tarifas controladas, especialmente, da energia e combustíveis.

Famílias
O INPC de dezembro sobe 0,14% ante queda de 0,25% em novembro. Como resultado, o índice acumulou uma elevação de 3,43% no ano de 2018. Em  dezembro de 2017, o INPC tinha sido de 0,26%. O INPC mede a variação dos preços para as famílias com renda de um a cinco salários mínimos e chefiadas por assalariados. Em 2018 os alimentos e transportes puxaram a inflação, dois grupos com muito peso no orçamento das famílias mais pobres.

Construção
O INCC/Sinapi, de custo da construção civil,  sobe 0,22% em dezembro ante alta de 0,24% em novembro, afirma o IBGE. No ano de 2018, apesar do setor da construção em baixa, o índice acumulado ficou em 4,41%.  De acordo com o IBGE, o custo nacional da construção alcançou R$ 1.113,88 por metro quadrado em dezembro.

Indústria
A produção industrial cresce em seis dos 15 locais avaliados em novembro ante outubro. Na média de todo o País, a produção  nacional subiu 0,1% em novembro ante outubro. Regionalmente, os maiores aumentos foram em Pernambuco (1,4%), Paraná (1,1%) e Ceará (0,9%).

Serviço
A inflação de serviços é a menor em 18 anos, apura o IBGE. Justifica por conta da lenta recuperação da atividade econômica e o mercado de trabalho desfavorável, dão o pequeno aumento de preços de serviços em 2018. A inflação do setor foi de 3,36%, conforme dados divulgados pelo IBGE. É o menor resultado desde 2000.

Caixa-preta do governo
Os altos salários, jetons, comissões, participação nos lucros, entre outras benesses formam uma verdadeira caixa-preta no Executivo. Provavelmente será maior do que a do BNDES, se realmente existe. As estatais distribuem benefícios que acabam atraindo muitos figurões e apadrinhados e, esses penduricalhos não são transparentes. O governo Bolsonaro está titubeando em várias áreas, ao manter privilégios já reprovados pela sociedade brasileira.

Previdência
No Chile, a capitalização na Previdência não foi o que esse esperava. No Brasil, o governo diz que terá modelo no Tesouro Direto, uma aplicação financeira de rendimento superior ao da caderneta de poupança. Cada servidor faz seu depósito para ser sacado no futuro.

Custos (I)
Os preços de material escolar têm diferenças de mais de 140%. Pesquisar sempre é a orientação dos especialistas aos consumidores, para todo e qualquer produto. Não tem outra saída para fugir da cilada armada pelo custo Brasil e empresarial. 

Custos (II)
Os produtos da rede de lojas de roupas Zara são mais caros no Brasil. Enquanto em países como Eslovênia, Grécia e Portugal os valores são entre 29% e 36% mais baratos que aqueles encontrados nos Estados Unidos, no Brasil, os preços são 18% superiores. A complexidade tributária e a logística ineficiente explicam a diferença. Convenhamos, uma enorme disparidade.

Expediente
Na segunda-feira (14), dia da posse da nova presidência do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN), o expediente da Justiça do Trabalho, em Natal, será até às 13h. A posse do novo presidente, Bento Herculano, vai ser à noite no Teatro Riachuelo.

Negociação
O Grupo de Fiscalização da Caern garante que combate fraudes conseguiu reverter R$ 915 mil aos cofres da Companhia, de julho a dezembro de 2018, com quase quatro mil cortes de ligações clandestinas de água em todo o Estado.  Além do retorno financeiro, é observada também uma melhora no abastecimento da população.

Biológicos
Cresce o número de registros de produtos biológicos para uso agrícola. No ano passado, o Ministério da Agricultura e Pecuária  autorizou o uso de 52 novos defensivos de baixa toxidade. Alguns podem ser usados na agricultura orgânica. O pedido de registro de defensivos de baixa toxicidade chegou a um total de 450 registrados. Estes agrotóxicos  menos nocivos à saúde humana contém organismos biológicos, microbiológicos, bioquímicos, semioquímicos ou extratos vegetais.


continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários