Informalidade cresce 4,6% no Estado em 2017

Publicação: 2018-12-06 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
A Síntese de Indicadores Sociais 2018 analisa a qualidade de vida e os níveis de bem-estar das pessoas, famílias e grupos populacionais, a efetivação de direitos humanos e sociais, bem como o acesso a diferentes serviços, bens e oportunidades, por meio de indicadores que visam contemplar a heterogeneidade da sociedade brasileira sob a perspectiva das desigualdades sociais.

A proporção de pessoas ocupadas em trabalhos informais cresceu de 46,6%, em 2016, para 51,2% em 2017 no Estado. Na capital, a despeito do nível de informalidade ser menor em comparação com estado, seu crescimento foi maior: variou de 31,3% para 41%.

A proporção de domicílios que apresentou pelo menos uma das inadequações nas condições de moradia foi maior na capital (11,7%) em comparação com a média do estado (8,5%). As inadequações investigadas na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios foram ônus excessivo com aluguel, adensamento excessivo, ausência de banheiro de uso exclusivo do domicílio e paredes externas construídas predominantemente com materiais não duráveis.

O Rio Grande do Norte tem a terceira maior proporção de crianças de 0 e 5 anos de idade que frequentam escola ou creche de todas as unidades da federação. De 2016 para 2017, o percentual variou de 54,9% para 58,3%, abaixo apenas de São Paulo, 62,8%, e Santa Catarina 61,8%, conforme dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2017.

 Os resultados da pesquisa evidenciam as disparidades nas inadequações de moradia entre as cidades do interior e a capital, tendo em vista principalmente que há maior proporção de domicílios com ônus excessivo de aluguel e adensamento excessivo na capital em relação à média do estado, que em geral tem maior percentual de pessoas que moram em domicílio sem banheiro exclusivo e com paredes externas construídas predominantemente com materiais não duráveis. Esse padrão de diferenças nas inadequações de moradia foi identificado na maior parte dos estados.



continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários