Natal
Insatisfação chega à porta de Rosalba
Publicado: 00:00:00 - 22/08/2013 Atualizado: 22:29:07 - 21/08/2013
Roberto Lucena - Repórter

A insatisfação dos servidores públicos chegou à porta da chefe do Executivo Estadual. Desde ontem, cerca de cinquenta servidores, a maioria ligada à secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), estão acampados em frente à residência oficial da governadora Rosalba Ciarlini, localizada na rua Ministro Raimundo de Britto, em Morro Branco. De acordo com os servidores, o acampamento tem como objetivo exigir a reabertura das negociações com o Governo do Estado. A governadora deixou a residência no início da tarde e não conversou com os manifestantes. Em nota, o Governo qualifica a manifestação como “piquete, antidemocrática e inconsequente”.

Servidores da Saúde protestam nas ruas de Natal; fotos


Leia Mais

Em mais um dia de manifestações, os servidores em greve realizaram, na manhã de ontem, uma caminhada que teve como ponto de início o Hospital Walfredo Gurgel. De lá,  servidores da Sesap e secretaria de Estado da Educação e da Cultura (SEEC), seguiram para casa da governadora Rosalba Ciralini. Inicialmente, o grupo era composto por mais de cem pessoas que ocuparam a  entrada e saída da residência oficial da chefe do Executivo.

A presença dos manifestantes com diversas bandeiras de sindicatos e partidos políticos, bem como faixas e cartazes com frases de protestos, não intimidou a governadora Rosalba. Por volta das 13h, ela deixou a residência e seguiu para o aeroporto Augusto Severo onde embarcou para Brasília. Ela não parou para falar com os servidores.

Além das faixas, os servidores ainda levaram dois bonecos: um que representa a governadora  e, de forma improvisada,  confeccionaram um boneco – que lembrava um “judas” –  com um macacão do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) onde colocaram o nome do titular da Sesap, Luiz Roberto Fonseca.

Os sindicalistas confirmaram que o acampamento foi necessário em virtude da falta de abertura de diálogo com as lideranças do Estado. Mesmo com o agravamento do caos na rede estadual de saúde, Luiz Roberto manteve a programação de turismo familiar. O secretário embarcou para Argentina, onde ficará dez dias de férias com a família.

De acordo com a coordenadora-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Rio Grande do Norte (Sindsaúde/RN), Simone Dutra, o acampamento não tem data para ser encerrado. “Vamos ficar até a governadora nos receber e dialogar”, colocou. Até o fechamento desta edição, os manifestantes continuavam acampados. Durante à tarde, o Sindsaúde/RN providenciou dois banheiros químicos, tendas, lanche, colchões e colchonetes para os manifestantes. Integrantes do coletivo #RevoltaDoBusão também estavam no local e foram os primeiros a providenciar uma barraca.

Para Fátima Cardoso, coordenadora-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Rio Grande do Norte (Sinte-RN), a pauta da categoria atende mais a anseios sociais que corporativos. “Esperamos que o Governo se abra ao diálogo, pois o que pedimos, principalmente, são condições de trabalho e melhorias no serviço oferecido”, declarou.

“Ocupa Cabral”

A presença dos manifestantes em frente à residência oficial da governadora Rosalba Ciarlini lembra o movimento contra o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. Intitulado “Ocupa Cabral”, manifestantes ocupam a rua Aristides Espínola, no bairro Leblon, há 23 dias. Na página oficial do movimento, no Facebook, o grupo  diz que o objetivo é “ocupar para cobrar e cobramos para mudar. Mudar o Rio, não pelas nossas mãos, mas pelos diretos do povo”.

Leia também