Investidores e prefeitura mudam planos para hotel

Publicação: 2013-08-30 00:00:00
Andrielle Mendes - Repórter   

A crise econômica que se abateu sobre o mundo em 2008, e afetou sobretudo a Europa - principal emissora de turistas para o Rio Grande do Norte - obrigou o grupo Hotéis Pernambuco S.A a rever os planos para o hotel Reis Magos, fechado há 18 anos, na Praia do Meio. O projeto de revitalização do hotel, que previa a reforma da estrutura existente, chegou a ser aprovado pela Prefeitura em 2008, mas perdeu a viabilidade com a crise, segundo José Pedroza, acionista do grupo.

saiba mais

A rede de hotéis, que passou por uma reestruturação em 2011 e só retomou o diálogo com a Prefeitura no ano passado, se prepara agora para apresentar três pré-projetos, que contemplam desde a expansão do hotel - que passaria a ser um complexo multiuso - até a construção de um novo empreendimento no local.     Outros detalhes sobre os planos não foram revelados. Também não foram fixados prazos para realização de possíveis estudos, início e conclusão das obras.

Prefeitura

A Prefeitura também faz planos e cogita a possibilidade de desapropriar a área do empreendimento. O prefeito de Natal, Carlos Eduardo, segundo o secretário municipal de Turismo, Fernando Bezerril, teria determinado a desapropriação do imóvel em  reunião nesta semana. “A ordem é essa”, afirmou.

O Município, no entanto, vai aguardar a conclusão de um estudo solicitado à Secretaria Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura antes de protocolar o pedido de desapropriação junto a Vara da Fazenda Pública de Natal. Segundo Carlos Castim, procurador municipal de Natal, a avaliação deve ser concluída em 20 dias e determinará quanto a Prefeitura terá que pagar ao grupo pela área, caso opte pela desapropriação. “É preciso esclarecer que a decisão de desapropriar o imóvel, declarando-o como de interesse social, será tomada só após a conclusão dessa avaliação”, esclareceu Castim.

Para José Pedroza, que dirige o grupo Hotéis Pernambuco S.A junto a outros acionistas, esse não seria o caminho ideal para revitalizar o imóvel, já que o grupo ainda tem planos para o empreendimento.    

Os recursos para a execução do projeto, segundo Pedroza, estão garantidos. O investimento, segundo ele, pode variar de R$ 20 milhões a R$ 90 milhões, dependendo do projeto escolhido. “Temos um projeto, que é a reforma do hotel, e duas opções, (a ampliação ou a construção de um novo empreendimento). Mas ainda precisamos discutir a viabilidade das propostas”.

Pedroza observa que um aporte maior de recursos dependeria de uma alteração no Plano Diretor de Natal, que disciplina o uso do solo na capital e limita a altura dos prédios em determinadas áreas da cidade.

O destino do hotel voltará a ser discutido entre a empresa e o Município no início de setembro. A data da reunião não foi revelada.