Investigação de chacina em Macaíba será secreta

Publicação: 2021-04-06 00:00:00
Ícaro Carvalho
Repórter

Três dias após a chacina que resultou na morte de seis pessoas no município de Macaíba, na Grande Natal, a Polícia Civil do Rio Grande do Norte determinou que as investigações sobre o caso ocorrerão em sigilo. A ação contra criminosa ocorreu em pouco menos de trinta minutos, em pontos distintos da cidade. Além dos mortos, outras duas pessoas ficaram feridas e deverão ser testemunhas-chave para o desenrolar dos Inquéritos Criminais, que estão sob a responsabilidade da Delegacia de Polícia de Macaíba, e têm prazo de conclusão de 30 dias.  

Créditos: Alexandre Loureiro/arquivo tnCrimes ocorreram em pontos distintos ao longo de 30 minutosCrimes ocorreram em pontos distintos ao longo de 30 minutos

Segundo informações da Polícia Civil, os crimes aconteceram em bairros diferentes. As primeiras vítimas foram dois feirantes: Saulo Emanoel de Lima Romeiro, 16 anos, morto com tiros na cabeça, e Geovane do Nascimento Nunes, 25 anos. Eles estavam no centro da cidade montando bancas para a feira livre do município quando foram surpreendidos pelos executores. Geovane estava sem documentos no momento do crime e foi posteriormente identificado pelo Instituto Técnico Científico de Perícia (Itep/RN).

Ainda durante à noite, outras três mortes foram registradas no bairro Campo das Mangueiras. Ítalo Felipe Tenório da Silva, 20 anos, foi alvejado e morreu no local. Ransmiller Carlos de Araújo Pontes, também de 20 anos, tentou fugir e se esconder em casa, mas os criminosos invadiram a residência e atiraram na cabeça dele. Lucas Gabriel de Souza, 23 anos, foi atingido pelos bandidos e chegou a ser socorrido, mas não resistiu e faleceu na Unidade de Pronto Atendimento de Macaíba.

A sexta vítima foi Romário Varela Tinôco, 26 anos, que morreu com tiros em várias partes do corpo. Ele foi assassinado no Loteamento Esperança. Outras duas pessoas, que chegaram a ser baleadas pelos bandidos nas ações, sobreviveram aos atentados. Os crimes serão investigados em quatro inquéritos diferentes. Os policiais trabalham com diversas linhas de investigação, dentre elas a guerra entre facções criminosas e tráfico de drogas, incluindo disputa por território. No entanto, a Polícia Civil não descarta outras possibilidades.

Os moradores da cidade de Macaíba já tinham vivenciado pelo menos outras duas noites de medo e violência nas últimas semanas. No dia 15 de março, criminosos de grupos rivais trocaram tiros e assustaram moradores do município, numa região conhecida como “Baixa”, no Centro. À época, a Polícia Militar tentou conter a ação, que durou cerca de três horas. No entanto, ninguém foi preso.

Após os disparos, os criminosos fugiram e espalharam grampos em ruas da região para impedir a eventual fuga de rivais e dificultar a chegada da polícia. A Polícia Militar informou que chegou a se deparar com os bandidos, com quem trocou tiros, mas que ninguém ficou ferido.

Mais recentemente, no dia 26 de março, outros dois crimes foram registrados em bairros diferentes em Macaíba. Uma barbearia foi alvo de ataques.
 Segundo a PM, um homem chegou em uma moto e atirou contra o barbeiro Leandro Lima da Silva, 20 anos, e um suposto cliente, Felipe Sales de Lima Júnior, de 17 anos, que morreu no local. O barbeiro chegou a ser socorrido para a UPA de Macaíba, mas não resistiu. Outro crime aconteceu na mesma noite, no bairro Lagoa das Pedras. A vítima foi Leiliane da Silva Soares, de 29 anos, morta por disparos de arma de fogo. A Polícia Civil está investigando se os crimes possuem alguma ligação.

Mosquito
Essa foi a segunda chacina registrada na Grande Natal em 2021. No início de março, três homens e uma mulher foram assassinados na comunidade do Mosquito, zona Oeste de Natal. As vítimas tinham entre 23 e 26 anos de idade e uma delas usava tornozeleira eletrônica. O caso é investigado pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil. A guerra entre facções criminosas também é a principal linha de investigação. As vítimas foram: Alice Melo da Silva, 23 anos, Josenildo Paulino da Silva, 24 anos; Tiago Fabrízio Silva, 25 anos; Tiago José da Silva, 26 anos.