Artigos
Investir em dados é uma das decisões mais inteligentes do Turismo do RN
Publicado: 00:00:00 - 15/09/2021 Atualizado: 23:19:12 - 14/09/2021
Bruno Reis 
Diretor presidente da Emprotur 
Leonardo Seabra
Subgerente de Articulação e Pesquisa da Emprotur

O turismo é um fenômeno que devido ao seu caráter transversal e complexo apresenta múltiplos desafios para o gerenciamento de suas atividades setoriais, sobretudo em um cenário de incertezas que são acentuadas por eventos como as crises econômicas, ou a atual pandemia. Nesse contexto, a boa e eficiente gestão de um destino turístico depende cada vez mais do melhor uso da informação, que eleva substancialmente a qualidade do processo de tomada de decisão, e, consequentemente, a alocação dos recursos de promoção de forma eficiente.

A  tendência  de  maior atuação dos estados e municípios  na  gestão  do turismo exige   que  o poder público estabeleça  processos   estruturados   de   coleta   e   disponibilização  de informações  sobre  a atividade  local, sem deixar de mencionar (a demanda) a necessidade de dados pela  iniciativa  privada, o que tornará seus negócios e investimentos mais competitivos. 

Por isso a importância de  se monitorar  o  turismo  nos  destinos  e  criar  políticas que   norteiam   ações   estratégicas   embasadas   em   informações   consistentes.   Uma das  principais  funções  da  organização  responsável  por  gerenciar  o  destino, seja ela pública ou privada, é facilitar a transmissão das informações entre os diversos atores do ramo de  turismo. Isso diz respeito também às práticas de governança, em que a transparência é essencial. 

Muitas vezes os dados encontram-se dispersos, em múltiplas fontes que não interagem entre si. Portanto, se faz necessária a existência de um núcleo que congregue e produza informações sobre o setor de turismo, que servirá nos processos  de  tomada  de  decisão e  gestão  tanto  das  entidades  públicas  como privadas, superando as diversas lacunas detectadas e espalhando conhecimento sobre o Turismo para todas as partes interessadas. O alcance dessas metas é um legado para qualquer destino, mas para isso requer compreensão dos agentes de conhecimento e do papel proeminente que eles
 desempenham na governança do destino turístico.

  Em alinhamento com esses imperativos, e, com o objetivo de vencer essas dificuldades, o Rio Grande do tem desenvolvido uma abordagem mais estratégica apoiada pela capacidade de aquisição e gestão de conhecimento, por meio do investimento em um robusto Sistema de Inteligência Turística, um legado que servirá como base de informação e conhecimento para os municípios, as decisões de políticas públicas, a iniciativa privada e toda a cadeia produtiva do setor. No ambiente competitivo externo, um dos objetivos é a geração de inteligência mercadológica e de posicionamento competitivo do destino no mercado. No ambiente interno uma das metas principais é a disseminação da inteligência e a colaboração com as diversas partes que compõem o setor. 

Uma das premissas básicas dos governos é fazer o melhor uso dos recursos destinados à gestão pública. Dados e ferramentas de análises combinados tem um enorme potencial de aperfeiçoar as políticas públicas e otimizar os investimentos no setor.  Para muitos destinos, a inteligência de negócios está ajudando a quantificar o que é sucesso e como o destino pode mensurar seu desenvolvimento, identificar oportunidades de crescimento e moldar as mensagens de marketing para o público certo. 

Com dados muito amplos, podemos obter orientações valiosas sobre o caminho a percorrer para alcançar melhores resultados detalhados. A tecnologia e a inteligência analítica, por sua vez, nos trazem oportunidades de tomar as decisões certas e agir rapidamente. O Sistema de Inteligência nos oferece o pulso que procuramos, permitindo ver onde precisamos atuar, e, medir o desempenho. São dados transformados em ação que são convertidos em dados novamente. 

O SÍRIO é como um organismo vivo, que deverá servir para o Turismo do Estado do RN, um importante legado deixado pela gestão da EMPROTUR que precisa ser abraçado por todos os envolvidos.







Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.









Leia também