Iphan nega tombamento do Hotel Reis Magos

Publicação: 2019-09-04 00:00:00
A+ A-
O pedido de tombamento do Hotel Reis Magos, em Natal, foi negado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) na tarde desta terça-feira, 3. A decisão foi publicada pelo Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização (Depam/Iphan). Apesar de considerar a estrutura do Hotel Reis Magos um “elemento importante" na compreensão da evolução urbana da capital, o Iphan aponta que não há elementos significativos que justifiquem o tombamento.

Créditos: Alex RegisDefinição sobre tombamento do hotel depende agora de parecer do governo do EstadoDefinição sobre tombamento do hotel depende agora de parecer do governo do Estado
Definição sobre tombamento do hotel depende agora de parecer do governo do Estado

Agora, resta o parecer da Secretaria Estadual de Educação e Cultura, ainda sem data para ser emitido, para que a empresa proprietária possa proceder com o processo de demolição. Em contato com a TRIBUNA DO NORTE, o titular da pasta, Getúlio Marques, afirmou que a decisão do Iphan tende a agilizar o processo, porém não significa em uma tomada de posição imediata por parte da secretaria. “O que temos analisado é o que ainda está tramitando sobre o processo. Preciso ver o detalhamento dos termos da decisão [do Iphan]. É lógico que, com uma posição detalhada,  tende a agilizar o processo, pois ficamos com menos variáveis para analisar”, afirma.

A análise do Iphan foi realizada após o processo ser reaberto por força de um pedido de apreciação de novos documentos enviados pelo presidente do Instituto dos Amigos do Patrimônio Histórico e Artístico Cultural e da Cidadania do Rio Grande do Norte. De acordo com o Iphan, esse estudo do Instituto dos Amigos apenas reforçou uma opinião de 2017 da autarquia, quando indeferiu o tombamento do Hotel Reis Magos. Na época, o entendimento foi de que a importância do imóvel se evidencia em nível municipal e estadual, o que não justificaria sua proteção em nível federal.

O Instituto esclarece ainda que o processo de patrimonialização é necessariamente uma seleção na qual se identificam atributos e valores capazes de justificar o reconhecimento nacional.

Demolição
Em maio deste ano, em ação proposta pelo Estado do Rio Grande do Norte, em grau de recurso, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) negou o tombamento judicial, mas advertiu expressamente que a decisão não significava autorização para a demolição do imóvel, tendo em vista a tramitação de processos administrativos de tombamento nas esferas estadual e federal, e que "o tombamento provisório se equivale ao tombamento definitivo, o que impede alteração na estrutura do imóvel".

Diz a decisão que "o desprovimento do apelo e da remessa necessária não implicam decisão imediata para a demolição do referido imóvel. Em verdade, o que se está a decidir - tendo em conta que o próprio ente público foi quem buscou o Poder Judiciário, na tentativa de reforçar uma proteção que é imposta pela própria lei e não houve reconvenção - é que, o processo administrativo de tombamento instaurado perante o IPHAN - já finalizado - não constitui óbice para que se dê prosseguimento ao processo de autorização da demolição da edificação, perante o Município de Natal". A decisão é da Primeira Turma do TRF da 5ª Região.

A demolição do Hotel Reis Magos foi defendida por Conselho Municipal de Turismo, Conselho Municipal de Cultura e Câmara Municipal de Natal. Por sua vez, o Conselho Estadual de Cultura opinou contra o tombamento do Hotel Reis Magos e não emitiu parecer a favor da demolição. A procuradora do Estado, Marjorie Madruga, defendeu o tombamento do  equipamento, citando pareceres de instituições sobre a relevância.

Hotel
Desativado desde 1995, o antigo Hotel Reis Magos, considerado um cartão postal da antiga Natal, está próximo de chegar a duas décadas e meia de completo abandono. Localizado em região nobre da capital potiguar, o Hotel Internacional Reis Magos funcionou como hotel de luxo em Natal entre 1965 e 1995, quando foi desativado. Hoje, o espaço está em ruínas, deteriorado, e acumula lixo e sujeira.

O complexo possuia 63 apartamentos, uma suíte presidencial, recepção, salões nobres, elevadores, parque aquático, sauna, playground, restaurante, estacionamento, entre outras áreas. O empreendimento foi adquirido pelo grupo Hotéis Pernambuco S/A em 1978, que operou o local por 10 anos, após uma grande reforma em 1979/1980. Depois, o local foi arrendado de 1989 a 1995; e de 1995 a 2002. Nesse último período houve ordem de despejo litigioso para o ocupante.

Em 2013, o grupo anunciou que faria a demolição do prédio para a construção de um empreendimento comercial, mas a proposta gerou desconforto e protestos por parte de estudantes de arquitetura. Na avaliação da defesa da empresa, laudos comprovam que a estrutura do prédio não suportaria uma restauração.

No dia 29 de junho, a última cabeça remanescente que tinha do monumento dos três Reis Magos, Baltazar, Gaspar e Belchior, no pátio externo do que resta das instalações do antigo hotel, foi roubada.

Antes, em abril, uma laje da recepção da extinta boate Royal Salute, que ficava dentro do hotel, desabou e trouxe de volta o assunto a respeito do abandono do espaço e a preocupação no tocante aos perigos quanto à sustentação da estrutura do local, os riscos de um espaço abandonado e a proliferação de doenças que a área pode trazer.





Deixe seu comentário!

Comentários