João Cabral de Melo Neto entre Natal e Dakar

Publicação: 2020-01-10 00:00:00
Ramon Ribeiro
Repórter

Lá pelo meio do livro “Agrestes” (1985), do poeta João Cabral de Melo Neto (1920-1999), o leitor vai topar com os versos “Os cajueiros são anarquistas/ nenhuma lei rege seus galhos/ (o de Pirangi, em Natal,/ é horizontal, cresceu deitado)”, do poema “Os cajueiros da Guiné-Bissau”. De fato João Cabral esteve em Natal – e foi mais de uma vez –, e de fato visitou o Cajueiro de Pirangi. Isso se deu em 1976, quando o poeta exercia o cargo de embaixador do Brasil no Senegal e precisou vir à cidade acompanhar a comitiva do então presidente senegalês Leopold Senghor em passagem rápida pela capital potiguar.

Créditos: ArquivoEm Agrestes, o poeta cita: “Os cajueiros são anarquistas/ nenhuma lei rege seus galhos/ (o de Pirangi, em Natal,/ é horizontal, cresceu deitado)”Em Agrestes, o poeta cita: “Os cajueiros são anarquistas/ nenhuma lei rege seus galhos/ (o de Pirangi, em Natal,/ é horizontal, cresceu deitado)”
Em Agrestes, o poeta cita: “Os cajueiros são anarquistas/ nenhuma lei rege seus galhos/ (o de Pirangi, em Natal,/ é horizontal, cresceu deitado)”

A comitiva esteve hospedada no (agora finado) Hotel Reis Magos. Segundo registros na imprensa local, a agenda de atividades incluía além do passeio nas praias de Pirangi, Cotovelo e Ponta Negra, visita à comunidades rurais, jantar no Palácio Potengi com direito a serviço de coquetel no jardim e apresentação dos grupos folclóricos Araruna e Boi Calemba. Houve também refeições nos  restaurantes Mirante, da Rampa e do Lira, e até uma visita ao Machadão, onde todos assistiram a um jogo do América. O presidente não esteve em todos esses compromissos, tinha agenda internacional a cumprir, e foi embora levando de presente do governo estadual um casal de papagaios comprados em Canguaretama – carinhosamente apelidados de Natal, o macho, e Dakar, a fêmea –, além de uma pintura de Newton Navarro com tema das rendeiras do litoral.

A imprensa dividiu o interesse tanto pela visita das autoridades senegalesas, quanto pela presença de João Cabral, que aquela altura já vivia o sucesso de sua obra prima  “Morte e Vida Severina” (1965) e era considerado um dos grandes nomes da literatura nacional. Mas enquanto o presidente Senghor comentou sobre sua preocupação com o futuro da África e outros assuntos polêmicos, João Cabral falou foi mais discreto em sua coletiva de imprensa. Avisou de cara aos jornalistas que não falaria sobre política, apenas literatura: “É um assunto onde posso manifestar opiniões pessoais”. E dentro desse tema, criticou a demora na circulação de seus livros em Natal, a exemplo do “Museu de Tudo”, que levou meses para chegar às livrarias da cidade.

Também nessa estadia, João Cabral chegou a ser entrevistado por Sanderson Negreiros e Zila Mamede para a Fundação José Augusto, que tinha um projeto de criar em Natal um Museu da Imagem e do Som [o que não foi pra frente].

Uma semana depois depois da passagem de João Cabral por Natal, ele retornou à cidade para prestigiar o lançamento do livro “Exercícios da Palavra”, de Zila Mamede, a quem admirava o trabalho poético, inclusive rasgando elogios publicamente. Foi à Zila também que João Cabral confiou todos os seus escritos até então publicados para que fossem documentados. Trabalho que Zila começou a fazer poucos meses após a visita do poeta pernambucano.

A pesquisa durou mais que o tempo esperado e só foi publicado postumamente, em  1987, com o título “Civil Geometria: Bibliografia Crítica, Analítica e Anotada de João Cabral de Melo Neto (1942-1982)". A publicação foi viabilizada por iniciativa de José Mindlin, amigo tanto de João Cabral quanto de Zila. O lançamento da obra em Natal contou com a presença de João Cabral.

O poeta chegou a voltar à Natal poucos anos depois, dessa vez à convite da UFRN – de quem ganhou o título de doutor honoris causa. Na agenda, uma série de atividades, dentre as quais, palestras, entrevista na TV-U, bate papo com professores e alunos, e lançamento do livro “Auto do Frade", na Livraria Clima.





Leia também: