Cookie Consent
Quadrantes
Jorge O'Grady de Paiva
Publicado: 00:00:00 - 19/06/2022 Atualizado: 15:02:34 - 18/06/2022
André Felipe Pignataro e Francisco Martins 
[Membro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte ([IHGRN)]

Jorge O’Grady de Paiva conseguiu, como poucos, conciliar a fé e a ciência. Natural de Ceará-Mirim, nascido em 26.05.1909, mudou-se muito cedo para o Rio de Janeiro, então capital federal, sendo, lá, conhecido, simplesmente, como padre Jorge.

Além de sacerdote e cientista, a política também despertava o interesse de Jorge O’Grady. Em telegrama de agosto de 1954, enviado ao jornalista Carlos Lacerda, eterno opositor de Getúlio Vargas, O´Grady afirma que parte da responsabilidade pelo atentado da Rua Toneleros, a que Lacerda sofreu e sobreviveu, era dele próprio, pela falta de respeito com que tratava o presidente da República. Dias depois, Vargas dava fim à própria vida.

Quando ele vinha a Natal, era comum fazer conferências sobre o espaço sideral. Além disso, o padre-astrônomo dava entrevista aos jornais de todo o país sobre a corrida espacial entre as duas superpotências da época: Estados Unidos e União Soviética.

Jorge O´Grady é o autor do “Dicionário Brasileiro de Astronomia e Astronáutica”, de 1969, obra teve boa aceitação em Portugal e em toda a Europa. "Um dicionário pioneiro em toda a bibliografia mundial da matéria", escreveu Tristão de Athaíde, pseudônimo de Alceu Amoroso Lima, famoso crítico literário carioca e membro da Academia Brasileira de Letras, em carta enviada ao padre Jorge, e que foi publicada no Diário de Natal, pelo jornalista Aderbal de França, que usava o pseudônimo Danilo.

Francisco Martins lembra que, certa vez, viu um sacerdote usando o clérgima no gabinete do arcebispo de Natal. Era o então cônego Jorge O’Grady de Paiva. A secretária Terezinha Villar tinha-lhe dito que o cônego era natural de Ceará-Mirim.

Teve vez, então, uma rápida conversa com o sacerdote, que muito o marcou. Ao dizer-lhe que tinha familiares naquela cidade, perguntou-lhe se iria lá rever os seus. A resposta, porém, veio vestida de saudades: “Não há mais nenhum parente meu em Ceará-Mirim”. Encerrada a conversa, Martins preparou a entrevista coletiva que o cônego daria à imprensa por ocasião de sua posse na Academia Norte-Rio-Grandense de Letras.

O Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte guarda, em seu museu, uma maleta com objetos litúrgicos e um solidel e uma sobrepeliz, vestes católicas, que foram do cônego Jorge O´Grady de Paiva, falecido em 24.01.2001. Este artigo faz parte da série “Nossas velhas figuras” do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte (IHGRN), coordenada por Gustavo Sobral e André Felipe Pignataro, alusiva às comemorações dos 120 anos da mais antiga instituição cultural potiguar, fundada em 29.03.1902.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte