Líder do partido fala em 'implodir' o presidente

Publicação: 2019-10-18 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Brasília (AE) - O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO), afirmou em reunião com aliados do presidente do partido, Luciano Bivar (PE), que vai "implodir" o presidente Jair Bolsonaro. A declaração foi gravada pelo deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), que estava no encontro como "infiltrado" do grupo de parlamentares próximo a Bolsonaro. O áudio foi obtido pelo jornal O Estado de S. Paulo.

"Eu vou implodir o presidente. Aí eu mostro a gravação dele. Não tem conversa. Eu implodo ele. Eu sou o cara mais fiel. Acabou, cara. Eu sou o cara mais fiel a esse vagabundo. Eu andei no sol em 246 cidades para defender o nome desse vagabundo", disse Waldir. Logo em seguida, alguém não identificado o alerta: "Cuidado com isso, Waldir".

A reunião aconteceu no fim da tarde de quarta-feira, 16, no gabinete da liderança do PSL na Câmara. Ontem, após a repercussão da fala, ele baixou o tom em relação a Bolsonaro, e negou que tenha algo para "implodir" o presidente. "Nada. É uma fala de emoção", disse o deputado. "Mas isso já passou. Nós somos Bolsonaro."

Pressão
Durante a reunião, deputados relataram que estavam sendo pressionados por Bolsonaro a assinar uma lista para destituir Waldir e apoiar o nome de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) como líder da bancada.

"Ele (Bolsonaro) começou a fazer a p... toda ao falar que todo mundo é corrupto. Agora, quer tomar a liderança do partido que ele só fala mal?", questiona o presidente da Comissão e Constituição e Justiça (CCJ), Felipe Francischini (PSL-PR). "A gente foi tratado que nem cachorro desde a eleição. Nunca atendeu a gente", diz outro parlamentar não identificado.

Dois deputados afirmaram ter recebido os pedidos em reunião com o próprio presidente no Palácio do Planalto. "Os meninos chegaram lá e o presidente disse: ‘Assina, senão é meu inimigo’", disse a deputada Dayane Pimentel (BA). "Eu não consegui não assinar", respondeu o deputado Luiz Lima (PSL-RJ). O deputado Loester Trutis (PSL-MS) também diz ter sido pressionado.

Embora o grupo ligado a Bolsonaro tenha apresentado uma lista com 27 nomes para destituir Waldir, a Câmara não aceitou todas as assinaturas e o manteve na liderança. No áudio, o deputado disse que pretende expulsar "um por um" os que assinaram o documento contra ele.

Após a divulgação do áudio, o deputado Daniel Silveira admitiu ter gravado a reunião. De acordo com o parlamentar, o objetivo foi "blindar" Bolsonaro na guerra declarada contra o presidente do PSL. "Era uma estratégia pensada", afirmou ele.





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários