Lá vem o Baile do Bixiga

Publicação: 2017-09-22 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Almoço à tarde, balada à noite: é a nova receita do Bixiga Gastronomia Paulistana, restaurante que traz o tempero do sudeste à Cidade Alta natalense, e que desde a semana passada está incrementando sua programação com embalos de sábado à noite regados a discos de vinil e clássicos da black music, MPB, e latinidades dançantes.  Saem os pratos da cozinha,  entram os pratos dos toca-discos.

Comerciante da Cidade Alta, Valmir Corrêa, o Paulista, quer movimentar a área do Centro com boa música e balanço black e noite de flashbacks
Comerciante da Cidade Alta, Valmir Corrêa, o Paulista, quer movimentar a área do Centro com boa música e balanço black e noite de flashbacks

O som fica a cargo do dono da casa, Valmir Corrêa, mais conhecido como Paulista. Fã de música e cinema, colecionador de discos, DJ e frequentador de bailes desde a adolescência, ele sentiu que agora era o momento de pôr seu acervo pra girar em Natal. “Estou por aqui há 17 anos, e sentia falta de muita coisa que vivi em São Paulo. Os bailes eram uma delas”, conta ele, que abriu o Bixiga há quase três anos.         

São duas festas se alternando no restaurante: a Bixiga Black, no segundo e último sábado do mês, e a Noite do Flashback, nos demais sábados. A noite ‘black’ é um baile onde só tocam clássicos do funk, soul e disco music dos anos 60, 70 e 80, além de samba-rock e Partido Alto; uma seleção fina de grooves pra sacudir a pista. Já a festa ‘flashback’ amplia ainda mais o leque de balanços, incluindo rock, brega, mambo, entre outros.

O DJ e ‘restauranteur’ tem um acervo de dois mil discos de vinil, e trouxe a metade disso para tocar nas festas. Ele deseja, em especial, que o samba-rock emplaque em Natal. “Em São Paulo, é como se fosse o forró por aqui, uma dança popular de salão. O samba-rock já foi tombado como patrimônio histórico imaterial da cidade. Estou até disposto a dar aulas de dança aqui mesmo para quem quiser aprender uns passinhos”, afirma.

Em noites de baile, o Bixiga retira parte das cadeiras para o povo ter mais espaço para dançar. O restaurante passou por uma ampliação recente, já pensando em virar pista de dança. O happy hour dançante, que começa sempre às 18h, conta com serviço de bar. O cardápio é enxuto, voltado a petiscos como filé com fritas, carne de sol, sanduíches com hambúrguer caseiro, e a pizza frita (massa recheada e frita tipo pastel). E para beber, cerveja, vinho, uísque e cachaça.

Valmir era um garoto que amava James Brown e Jorge Ben. Começou a fazer bailinhos em casa, aos 12 anos. Depois montou a equipe Prisma Som, em parceria com um amigo, e passou a tocar em bailes, festas e eventos diversos. Foram seis anos até a equipe acabar. O ex-sócio do Paulista seguiu na carreira como DJ Loo Negro Loo, já tocando com a banda RZO, e atualmente com o rapper Dexter, expoentes do hip hop nacional. O Paulista deixou as carrapetas, mas nunca parou de comprar discos e tocar de vez em quando. O retorno oficial ao baile se deu agora. “Nem cobro entrada, o lucro não é meu objetivo. Quero me divertir”, conclui.


Serviço
Baile Bixiga Black, sábado (23), a partir das 18h. Noite do Flashback (dia 30). Restaurante Bixiga, Rua Vigário Bartolomeu, 540, Cidade Alta (ao lado do camelódromo). Entrada gratuita. Tel.: 98843-1440.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários