Laboratório britânico AstraZeneca admite testes adicionais de vacina

Publicação: 2020-11-27 00:00:00
O diretor executivo do laboratório britânico AstraZeneca, Pascal Soriot, afirmou ontem que será necessário ampliar o estudo da vacina contra a covid-19, depois dos questionamentos levantados sobre o grau de proteção que pode oferecer contra o coronavírus.

Créditos: ALASTAIR GRANT/ESTADÃO CONTEÚDO

O laboratório admitiu na véspera que a dosagem que apresentou a maior eficácia (de 90%) foi ministrada por erro. Nunca se pretendeu testar um regime de uma dose e meia da vacina. O grupo que apresentou o melhor porcentual de eficácia era bem menor do que o outro e não teve a participação de idosos, o que poderia distorcer os resultados.

"Agora que encontramos o que parece ser uma maior eficácia, temos de validar essa descoberta" afirmou Pascal Soriot em entrevista à Bloomberg. "Por isso necessitamos de um estudo adicional."

Em entrevista ao New York Times, o executivo da AstraZeneca responsável por grande parte da pesquisa e desenvolvimento do laboratório, Menelas Pangalos, afirmou que a empresa está preparando uma nova análise clínica global, comparando os dois regimes (de uma dose e meia, e de duas doses) O número de participantes não foi definido ainda, mas será na casa dos milhares.

O executivo Menelas Pangalos, vice-presidente da AstraZeneca, reconheceu, já na quarta-feira, que houve um erro de dosagem na vacina que desenvolve em parceria com a Universidade de Oxford, mas disse que ele é irrelevante para a conclusão dos estudos. A empresa enfrenta, contudo, fortes críticas da comunidade científica devido à ausência de transparência.






Leia também: