Lava Jato avalia recorrer da decisão que deu a Lula acesso à Operação Spoofing

Publicação: 2021-01-25 16:38:00
Sete procuradores da República, ex-integrantes e atuais membros da força-tarefa da Lava Jato, pediram na sexta, 22, para ingressarem como assistentes de acusação na ação penal da Operação Spoofing - investigação que mira grupo de hackers que invadiu celulares de autoridades. O grupo que quer participar do processo que tramita junto à 10ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal inclui Januário Paludo, Laura Gonçalves Tessler Orlando Martello Júnior, Júlio Carlos Motta, Paulo Roberto Galvão de Carvalho, Athayde Ribeiro Costa e o ex-chefe da força-tarefa em Curitiba, Deltan Dallagnol.

Créditos: Reprodução

A reportagem do Estadão apurou que o objetivo dos procuradores é recorrer da decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, que garantiu à defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acesso à íntegra do material apreendido na Spoofing. Segundo Lewandowski, os arquivos apreendidos no âmbito das investigações somam cerca de 7 TB de memória.

Uma vez habilitados nos autos, a estratégia dos procuradores, representados pelos advogados Marcelo Knopfelmacher e Felipe Locke Cavalcanti, seria tentar impedir o uso de dados do processo por terceiros que não foram vítimas dos hackers. Consultados pela reportagem, Knopfelmacher e Cavalcanti não comentaram.

Os procuradores também avaliam, se Lewandowski não revogar a autorização ao petista, pleitear que o caso seja submetido ao crivo do Plenário do Supremo. A premissa central da contraofensiva dos procuradores é que Lula não foi vítima dos hackers - o ex-presidente não teve seu celular bisbilhotado por Walter Delgatti Neto, o 'Vermelho', e seu grupo. Nessa linha, sustentam que o petista não teria legitimidade para conhecer o que há nos autos.

Investigadores ouvidos pelo Estadão acreditam que Lula vai utilizar o material para turbinar a ação em que acusa o ex-juiz Sérgio Moro de agir com parcialidade ao condená-lo no caso do tríplex do Guarujá, levando ao STF indícios de que o magistrado e os procuradores mantiveram contatos fora dos autos que podem contaminar a operação. A análise do caso ainda não foi concluída pela Segunda Turma da Corte.

Ao analisar um pedido da defesa de Lula sobre uma ação da Lava Jato no ano passado, Lewandowski e o ministro Gilmar Mendes atacaram a atuação de Moro à frente da Justiça Federal em Curitiba. Expoentes da ala do Supremo mais crítica à operação, os dois magistrados indicaram voto para declarar a suspeição do ex-juiz ao condenar o petista.



Estadão Conteúdo



Leia também: