Lazer nos redutos de Pium e adjacências

Publicação: 2017-04-14 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Pesquisadora do Grupo de Estudos da Complexidade, Grecom, da UFRN, a professora Margarida Knobbe busca em seus estudos conectar ciência e arte. É o caso da sua dissertação de mestrado, onde trabalhou o tema “O que é o intelectual”, com base na fábula “A cigarra e a formiga”, de Esopo, onde também utilizou como referências outras obras literárias, mitológicas e concepções musicais. A pesquisa virou o livro “O intelectual e a cultura: múltiplas ressonâncias”, publicado no mês de março, pela editora da UFRN. Essas referências tão diversas revelam um pouco da professora, que demonstra ter um interesse amplo pela cultura.

Margarida prefere programas familiares, mas se aventura em passeios nos arredores
Margarida prefere programas familiares, mas se aventura em passeios nos arredores

De acordo com Margarida, a violência que assola Natal não a anima muito a sair à noite. Por isso, nos finais de semana ela tem preferido programas familiares. Mas quando se aventura, costuma frenquentar lugares próximos do lugar onde mora, no Pium, como a Tapiocaria da Vó, em Ponta Negra, Porão das Artes, em Pium, e Mahalila Café e Livros, perto do campus da UFRN.

Para outras ocasiões, ela mergulha nas artes e na cultura, aproveitando a programação teatral da Casa da Ribeira e do Barracão do Clowns de Shakespeare (Nova Descoberta). “Nos domingos, um programa sempre bem-vindo é assistir aos shows do Som da Mata, no Parque das Dunas”, diz.

Quando o fim de semana está convidativo para um banho de mar, ela prefere descer mais o litoral sul. “Embora more bem pertinho da praia, por conta da insegurança, não frequento Pium. Prefiro Camurupim”, comenta. Mas para fazer uma boa refeição, os lugares favoritos ainda são os próximos de casa. “Ando bem caseira, gosto do Nuh e do Cantinho da Bisa Pizzaria, ambos em Pium”.

Apreciadora de bons filmes, Margarida guarda algumas boas experiências cinematográficas. Dentre as obras que lhe marcaram e que gosta de rever estão, “The pillow book” (O livro de cabeceira), de Peter Greenaway (1997); “Babel”, de Alejandro González Iñárritu (2006) e “Dolls”, de Takeshi Kitano (2002).

Leitora regular, além dos livros da pesquisa, a professora gosta de apreciar obras de ficção. “Dos últimos que li e me deixaram encantada, recomendo dois de autores da nova geração: 'Americanah', de ChimamandaNgoziAdichie, e 'Barba ensopada de sangue', de Daniel Galera”, sugere Margarida, que ainda dá outra dica. “Como estamos no mês de abril, para quem quer apreciar um texto magistral que une história e arte, sugiro o 'Romanceiro da Inconfidência', de Cecília Meireles”.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários