Lições

Publicação: 2020-09-22 00:00:00
Itamar Ciríaco 
itamar@tribunadonorte.com.br

A primeira rodada da Série D do Campeonato Brasileiro deixa uma série de lições para os clubes potiguares. A primeira delas é que não adianta reclamar dos gramados, afinal todos já sabíamos dessa situação. E, se vai reclamar agora, melhor seria gravar a reclamação e repetir a cada rodada para não gastar a voz, afinal, a situação dos estádios que a maioria dos clubes irá jogar não difere da que o ABC encontrou em Sergipe. A outra lição é que, se no direito existe o Princípio do "in dubio pro reo", ou seja, na dúvida favorece-se o réu nos processos, na Quarta Divisão, nos jogos com placar apertado, na dúvida o juiz vai favorecer o time da casa. Além dessas lições, ainda temos o fato do equilíbrio e do nivelamento por baixo do nível técnico. Por isso, ou nossos clubes “esticam o pescoço” para ficar acima desse nível, ou correm o risco de morrer abraçados com os outros.

Perda
O América pode ter uma grande perda para o resto da temporada. O atacante Zé Eduardo, que praticamente tinha um gol por jogo, está sendo sondado ou para voltar ao Cruzeiro (em crise na Série B), ou para saltar direto da Série D do Brasileirão, para a Série A. Neste caso a proposta é do Fluminense, que perdeu recentemente Evanílson, para a Europa. Ou seja, um tubarão maior acaba devorando o outro. Essa é a “Lei da Selva” no futebol e apenas um dos problemas de figurar na Quarta Divisão nacional.

Risco
A Confederação Brasileira de Futebol – CBF, que não está nem aí para a Série D, coloca em risco os níveis das arbitragens ao escalar auxiliares locais nos jogos. Para economizar com passagens aéreas, a entidade mescla os trios. O árbitro é sempre de fora do Estado mandante, mas os dois bandeiras são locais. Isso coloca, sobre os auxiliares, uma responsabilidade ainda maior. Se errar contra o time de seu Estado é um traidor. Se errar a favor, é comprado. Melhor seria o trio completo de fora, nesses casos.

Atleta Paralímpico
Nesta terça-feira, 22 de setembro, é comemorado o Dia Nacional do Atleta Paralímpico e, para celebrar a data, o Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) e a Estácio vão promover um grande encontro virtual com Izabela Silva Campos, paratleta de Atletismo - medalhista de ouro nos Jogos Parapan-Americano, em 2019. Ela, que também é aluna do curso de Serviço Social da Instituição de Ensino Superior, falará sobre sua carreira, de seus principais desafios e de suas vitórias. O evento faz parte do Programa "Atleta Cidadão", que tem como objetivo estimular o desenvolvimento pleno da cidadania dos atletas em todas as fases da carreira (iniciação, alto rendimento e pós-carreira) por meio da capacitação e orientação profissional. Os amantes do esporte - público externo em geral - poderão participar gratuitamente da iniciativa, acessando o Instagram no link: educacaofisicaestacioni.

Atleta Paralímpico 2
O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) realizará um evento totalmente digital nesta terça-feira, 22, para celebrar o Dia Nacional do Atleta Paralímpico. A ação online é aberta ao público, cadastre-se aqui para receber conteúdos exclusivos, e contará com duas transmissões de debates ao vivo, às 15h e às 18h, na página oficial do CPB no Facebook e no canal do Youtube.    O primeiro bate-papo, às 15h, será “Superação é uma ova!” e contará com a participação dos velocistas Verônica Hipólito e Yohansson Nascimento, do nadador Roberto Alcalde, do presidente do CPB e ex jogador de futebol de 5 Mizael Conrado, do youtuber Fred do canal Desimpedidos e da influenciadora digital Isa Meirelles.

Público
Aos poucos o público vai voltando para o esporte. Ao menos na Europa. Assim como já aconteceu no circuito de Mugello, na Itália, onde três mil pessoas acompanharam o GP da Toscana no último dia 13, e vai ocorrer na Rússia, em Sochi, no próximo domingo, a Fórmula 1 terá mais uma etapa da temporada de 2020 com a presença de público, apesar do mundo ainda estar vivendo a pandemia do novo coronavírus. Nesta segunda-feira, o governo da Alemanha autorizou a presença de 20 mil torcedores no GP de Eifel, no circuito de Nurburgring, no próximo dia 11. A Turquia quer liberar 100 mil no GP turco.

Machismo
Ty Lawson não poderá jogar nunca mais na CBA, a liga chinesa de basquete. O armador norte-americano, que já jogou na NBA, recebeu a punição após fazer um comentário machista sobre as mulheres chinesas em postagens na rede social Instagram. Lawson jogava pelo Fujian Sturgeons e estava na terceira temporada no basquete chinês, até que achou uma boa ideia postar uma foto explícita de uma stripper com o seguinte comentário: "As mulheres chinesas tem bolos nas partes baixas... Posso mudar minha opinião logo".

Machismo 1
Impressionante que, a cada dia, tenhamos que conviver com esse tipo de comentário machista, ou racista, ou homofóbico, etc. A humanidade, que poderia caminhar para uma geração de respeito mútuo, resolveu dar uma guinada e entrar numa fase de confronto. O esporte, que poderia ser o ponto de encontro da boa convivência parece que não estar conseguindo ensinar o suficiente e tem sido um verdadeiro “campo de batalha”, um show de horrores desse tipo de atitude. Lamentável.






Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.