Livro colabora com tese de Lenine sobre Descobrimento

Publicação: 2018-03-14 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Principal defensor da tese de que Pedro Álvares Cabral desembarcou primeiro no Rio Grande do Norte, antes de Porto Seguro, Bahia, em 22 de abril de 1500 (como registram os livros de História), o historiador natalense Lenine Pinto Barros, 86, abordou o estudo em vários livros seus, como  “Reinvenção do Descobrimento” (1998), “Ainda a Questão do Descobrimento” (2000) e “O Mando do Mar” (2015), obras que atraíram leitores e estudiosos do tema .

Autor colabora com blogs de pesquisa, como o Natal de Ontem
Autor colabora com blogs de pesquisa, como o Natal de Ontem

Um desses apoiadores é o pesquisador  Manoel Neto, que lançará nesta quinta-feira o livro “1500 - De Portugal ao Saliente Potiguar”, obra que reafirma a teoria de Lenine. O livro será lançado no Hospital Infantil Varela Santiago (av Deodoro, Centro), a partir das 17h. Toda a renda da edição será revertida em benefício da instituição.

O autor informa que nesta obra traz à luz mais evidências de que a praia do Marco, no município de Touros, foi a porta oficial do Brasil um ano antes da colocação do monumento — o Marco de Touros foi  fixado pelos portugueses, no litoral do Rio Grande do Norte, somente em 1501, como forma de atestar a metrópole como descobridora e detentora daquela terra.

“Li Lenine e isso me causou curiosidade de que o Brasil foi descoberto no Rio Grande do Norte. A partir daí, minhas pesquisas não pararam”, escreveu o autor.

Manoel visitou a Torre do Tombo, em Lisboa, o maior arquivo nacional português, e observou detalhes complementares que reforçam essa teoria. Para colaborar com a tese,  Manoel Neto, que é também Engenheiro,  fez sua própria análise da carta de Pero Vaz de Caminha e em uma das mais antigas cartas náuticas, o Planisfério de Cantino. Na visão do autor, ambas contém detalhes  de como  os portugueses desembarcaram primeiro em terras potiguares, incluindo análises de correntes marítimas e descrição topográfica.

“O nome Cabo de São Jorge, registrado na carta, faz referência ao dia 23 de abril, um dos  santos portugueses. O local hoje é conhecido como Cabo de São Roque”, informa. Manoel Neto é natalense, vice-presidente do Crea-RN, engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho e tem várias publicações em redes sociais e no blog nataldeontem.blogspot.com.

Serviço: Lançamento de “1500 - De Portugal ao Saliente Potiguar”.Dia 15 de março, no  Varela Santiago.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários