Lixo acumula sem coleta no WG

Publicação: 2012-03-31 00:00:00 | Comentários: 3
A+ A-
Roberto Lucena - Repórter

O mau cheiro é sentido à distância. Os sacos plásticos pretos podem ser vistos de longe. Há um montante deles encostado na parede e rolando pelo chão. O cenário poderia passar despercebido caso o lixo acumulado não estivesse num local que, a rigor, deveria ser exemplo de assepsia e cuidado com higiene. Mas não é o que acontece, há mais de uma semana, no Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG). A empresa que faz o recolhimento do lixo não recebe pelo serviço e suspendeu a coleta. Funcionários e usuários do local reclamam da situação.
Alberto LeandroLixo vem sendo depositado já fora da lixeira, no chão, junto à cozinha do hospital. O acúmulo já dura mais de uma semanaLixo vem sendo depositado já fora da lixeira, no chão, junto à cozinha do hospital. O acúmulo já dura mais de uma semana

O “lixão” - como já é chamado pelos funcionários – está localizado no último prédio do complexo do hospital onde é depositado, além dos resíduos comuns, o lixo hospitalar, recolhido diariamente. A lavanderia e a cozinha funcionam no local. Os alimentos que chegam, ficam armazenados a poucos metros do lixo. O odor é insuportável. Um funcionário responsável pela abertura do portão que dá acesso ao espaço usava máscara na tarde de ontem com o intuito de diminuir o incômodo. Sem querer se identificar, ele disse que há mais de uma semana a coleta não é feita. “Isso nunca aconteceu. Faziam o recolhimento todos os dias, mas agora está assim. O fedor é horrível. Quase não suporto trabalhar”, contou.

Segundo informações da direção do hospital, o problema acontece porque a empresa responsável pela coleta, a Limp Express Transporte e Prestação de Serviço Ltda, não recebe pagamento da secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) há alguns meses. “A obrigação de pagamento é da Sesap. Infelizmente a empresa está sem receber e por isso não fez a coleta essa semana”, disse o diretor administrativo da unidade, Josenildo Barbosa Lira.

Por telefone, o titular da Sesap, Domício Arruda, disse que desconhecia o problema no HMWG  e confirmou que a secretaria tem alguns débitos com a empresa. “Mas eu acho que esse contrato foi direto com o hospital. Nesse caso, acredito que não é competência nossa. O hospital tem autonomia financeira. No entanto, é verdade que a Sesap está devendo à Limp Express. Não sei os valores, sei que é pouca coisa”, afirmou.

Além de recolher o lixo comum no Walfredo Gurgel, a empresa Limp Express é responsável pelo recolhimento do material em outras unidades médicas do Estado. A reportagem tentou entrar em contato com os administradores da empresa, porém, não obteve sucesso.

Funcionários ouvidos pela reportagem na tarde de ontem afirmam que o maior hospital do Rio Grande do Norte passa por outras dificuldades. Uma enfermeira alertou que o estoque de oxigênio está baixo. Além disso, os corredores estão lotados de pacientes que aguardam atendimento em cima de macas.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • almeida.maia

    EU GOSTARIA DE PERGUNTAR MAS NÃO TEREI RESPOSTA! MAS ASSIM MESMO PERGUNTO! ESSE GOVERNO E SEUS GESTORES PUBLICOS SENTERIA ALGUM INCOMODO EM CONVIVER NO LIXO? CLARO QUE NÃO! POIS NOSSA NATAL QUE JÁ FOI BELA HOJE NÃO PASSA DE UM GRANDE LIXÃO A CÉU ABERTO, SEJA AO LADO DO(HWG) OU NAS VIAS PUBLICAS O DESCASO DESSES INCOMPETENTES GESTORES SÃO IGUAIS! SÓ ESTÃO PREOCULPADOS EM MACAR REUNIÕES, PARA DISCUTIR QUEM SERÁ O QUE NA PRÓXIMA ELEIÇÃO! E ENQUANTO ISSO NÓS QUE PAGAMOS OS ALTOS SALÁRIOS DELES, SOMOS TRATADOS COMO PORCOS NOS GRANDES LIXÕES DA CIDADE! COM A PALAVRA O (MP/RN).

  • ixazevedo

    Isso é uma vergonha, está provado mais uma vez que o RN é um dos estados da federação que possui os piores gestores públicos desse País.O Ministério Público têm que investigar esse caso, pois se o hospital possui autonomia financeira, porque falta dinheiro para pagar o prestador de serviço? Esse prestador está corretissimo em suspender a prestação do serviço, pois quando a iniciativa privada deve qualquer centavo ao Estado, fica bloqueado para operações comerciais normais.Esse governo está perdido na condução das suas secretarias de estado e as secretarias sem nenhuma gestão positiva para tocar as instituições ligada a elas.É uma vergonha.Acorda politicos dorminhocos, pois vocês foram eleitos para trabalhar e fiscalizar desmandos dessa natureza e não para ficar usando o dinheiro do contribuinte somente com benesses que venham a beneficia-los. O MP tem que entrar em campo urgente para apurar esses fatos deploráveis no maior hospital público do estado do RN.

  • josemoreirapinto

    Essa administração é mais perdida que cego em tiroteio. tem muitos políticos e poucos técnicos.EXISTE UMA FRASE NA ENTRADA DO ATENDIMENTO CLÍNICO DO PRONTO SOCORRO CLÓVIS SARINHO,DA EX- GOVERNADORA ,QUE CONTINUA ATUAL. "A VIDA NÃO TEM PREÇO".ISTO É PARA NOSSOS GESTORES A VIDA DOS MAIS NECESSITADOS NÃO VALE NADA,O QUE VALE É O VOTO.ESTE É APENAS UM DOS PROBLEMAS,TEMOS FALTA DE MEDICAMENTOS TAIS COMO: ANALGÉSICOS,CLEXANE ,HEPARINA ,FALTA KITS PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS BÁSICOS.SUPERLOTAÇÃO COM PACIENTE INTERNADOS NA SALAS DE CIRURGIAS.IMPOSSIBILITANDO O ATENDIMENTO.