Má conservação ameaça Forte

Publicação: 2010-01-06 00:00:00 | Comentários: 1
A+ A-
A Fortaleza dos Reis Magos completa hoje 412 do início de sua construção. O monumento histórico recebe durante a alta estação, uma média de dois mil turistas por dia. Mas o tempo e a maresia são obstáculos que o Forte enfrenta diariamente para manter sua história e memória erguidos. Os problemas começam no estacionamento, na praia do Forte.
Pedro Abesh mostra o piso deteriorado de uma das salas do Forte
O pátio está constantemente repleto de lixo, e as árvores da área militar atingem o asfalto, limitando o espaço destinado aos ônibus turísticos. Restos de coco e alimentos deixados pelos visitantes transbordam das lixeiras e poluem o visual local. O administrador do Forte, Pedro Abesh, explica que a coleta de lixo realizada hoje é insuficiente para atender a demanda. “Por aqui circula muita gente e o lixo se acumula o ano inteiro, os contêineres não são suficientes”.

A ausência de podas periódicas nas árvores começou em janeiro de 2009. “A área é do Exército, mas a Semurb (Secretaria Muicipal de Meio Ambiente e Urbanismo) sempre autorizava a poda pela Semsur. Com a mudança de secretário, disseram não poder porque não é área municipal”, comenta.

No hall de entrada do Forte, a placa de fundação, de pedra, precisa de reparos: o nome e a data oficial foram apagados pela maresia. “Mesmo fazendo reformas constantemente, é difícil manter tudo em ordem por causa da proximidade do mar” diz Abesh. Ele recorda que a mais recente foi feita em 2007. Nos banheiros do local, o chão emborrachado também está se deteriorando.

Parte do solo emborrachado é mantido preso por pedaços de pedra. Na passarela de madeira que tem como objetivo facilitar a locomoção de cadeirantes, algumas vigas quebraram. Outro problema destacado por Abesh são os canhões de guerra que ficam na parte superior externa do Forte. Tradicionais nas fotos de turistas, eles estão com alto grau de oxidação, e nunca receberam reparos. “Algumas partes estão lisas porque foram lixadas pelas próprias mãos dos turistas”, diz.

Abesh diz que existem hoje métodos eficazes para manter os canhões em perfeito estado. “Eles podem ser lixados e receber um revestimento de silicone, que faz durar um tempo infinito. Mas nunca receberam uma análise de um museólogo para aplicar a técnica. Do jeito que estão, não chegam a cem anos”, comenta.

Iluminação

A beleza externa da Fortaleza dos Reis Magos, por enquanto, só pode ser apreciada à noite. Isso porque a iluminação atual não é suficiente para que se perceba a estrutura quando o sol se põe. “Quem sobrevoa de helicóptero e busca tirar fotos, não vê com clareza o Forte à noite”. Abesh diz que aguarda uma licitação para a reforma elétrica na área exterior do Forte. “Um eletricista já veio aqui e está desenvolvendo o projeto”.

Fortaleza foi importante na história e religião

O historiador Alexandre Moura destaca a importância histórica do Forte dos Reis Magos para a manutenção do território brasileiro atual. Ele foi construído em 1598 para sediar missões de reconquistas do Norte e Nordeste do Brasil que, na época, eram ocupados pelos franceses. “A missão vem para o RN e dois anos depois foi fundada Natal. O país estava sob ordem da União Ibérica, ou seja, sob comando do rei da Espanha, porque o rei português tinha morrido sem herdeiros”, explica.

A Espanha, em conflito com a França, mandou expulsar os franceses do Brasil. “Da fortaleza partiram as missões para reconquista do Ceará, Maranhão e Pará”. Assim, se garante a posse da Amazônia. “Se não fossem as missões, a Amazônia seria francesa”. Para comemorar a data, a partir das 8h, Alexandre incorpora o único comandante presente em todas as missões, o filho de índia com português. Jerônimo de Albuquerque. “Vamos tentar reconstituir a chegada dessa missão com ajuda da Associação de Praticagem, entrando na cidade pela foz do rio Potengi”.

Religião

Para a Igreja católica, hoje é o Dia da Festa da Epifania em alusão ao encontro dos Reis Magos com o menino Jesus . Em Natal, a festividade tem o tema “Eucaristia, Pão da Unidade dos Discípulos e Missionários” e se concentram no Santuário Arquidiocesano de Santos Reis, no bairro de Santos Reis. A Festa de Reis, como é conhecida, é uma celebração tradicional portuguesa, que chegou ao Brasil no século XVIII. Em Portugal a festa tinha caráter popular, e aqui assumiu aspecto mais religioso. A primeira festa de Santos Reis foi celebrada dentro do Forte, no dia 06 de janeiro de 1599.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • cesarzbc

    A reportagem deixa bem claro que o descaso com o patrimonio mais importante da história da cidade, começou na gestão da atual prefeita, que na minha opinião é uma das piores, se não a pior de todos os tempos. É um verdadeiro absurdo a falta de preservação ao história de Natal. É por isso que o povo não tem cultura, quem não conhece a sua história não adquire uma identidade, não tem consciência de sua própria origem e por consequencia se torna alienado. É exatamente isso que querem as autoridades, pois só dessa maneira a corrupção se prolifera e nada acontece.