Mães e pais atualizam caderneta de vacina dos filhos no Dia D em Natal

Publicação: 2020-10-18 00:00:00
Natalenses e potiguares em todo o Estado se dirigiram, neste sábado (17) aos postos de saúde dos municípios para o Dia D da vacinação contra a poliomielite, numa campanha com mobilização nacional por parte do Ministério da Saúde. A vacinação segue até o dia 30 de outubro e além de vacinar contra a pólio, os órgãos em saúde têm enfatizado que a campanha objetiva atualizar a caderneta de vacinação contra outras doenças, como sarampo, febre amarela, rubéola, entre outras. Em todo o Brasil, o objetivo é imunizar mais de 11,2 milhões de pessoas.
Créditos: Adriano AbreuEm Natal, as 63 salas de vacinação do município foram abertas neste sábado para a multivacinaçãoEm Natal, as 63 salas de vacinação do município foram abertas neste sábado para a multivacinação

saiba mais

Em Natal, as 63 salas de vacinação do município foram abertas pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS/Natal). Quem chegou cedo para vacinar seu filho foi a contadora Fernanda Sousa, de 29 anos. Ao lado de Noah, 4, ela comenta que foi a unidade básica apenas para vacinar o filho contra a poliomielite, uma vez que todas as outras vacinas já estão em dia. Na capital, apenas para a pólio, a meta é vacinar 45 mil crianças. “Acho importante vacinar porque é uma forma de proteger meu filho. Existe muita mentira por aí sobre as vacinas, mas não acredito. É uma forma de se prevenir contra as doenças”, explica.

Outra potiguar que correu cedo à UBS para vacinar seu filho foi a diarista Maria Ozineide da Silva, de 41 anos, acompanhada de Miguel, 4. Assim como Noah, Miguel só foi à UBS para tomar a vacina da campanha da poliomielite. “Sou preocupada com doenças e tento proteger meu filho. Não acredito nisso que faz mal, sempre procuro saber, me manter atualizada. Quando vejo que vai ter alguma vacina na TV, já procuro saber se ele tem direito”, diz.

As salas e cadeiras da UBS São João, uma das mais movimentadas em Natal, já estavam cheias antes mesmo das 9h, movimento que surpreendeu os técnicos em enfermagem da unidade. “Tivemos uma campanha multivacinação que havia sido muito fraca, não esperávamos esse movimento todo”, diz a técnica Micarla Costa.

A diretora do Departamento de Vigilância em Saúde de Natal, Juliana Araújo, cita que a SMS abasteceu todas as doses de vacinas nas unidades para que o maior número de pessoas pudessem ter acesso. Ela cita ainda que, na pandemia de coronavírus, é importante estar com a imunidade em dia.

“É um dia atípico, quando abrimos nossas unidades no dia de sábado, dia em que as pessoas conseguem ir às unidades. Quanto maior o número de pessoas vacinadas, mais a população coletiva será imunizada também. É importante vacinarmos o maior número de pessoas em um menor número de tempo, dando a acessibilidade num ambiente que não seja num dia de trabalho. E o dia D também serve para os adolescentes com as outras vacinas. Num ano pandêmico, é preciso que estejamos bem para absorver esse momento, estarmos com a imunidade em dia”, diz ela.

Na avaliação da subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde Pública do Estado (Sesap), Alessandra Lucchesi, é importante que pais e filhos se vacinem não só contra a pólio, mas contra todas as outras doenças que a caderneta nacional de vacinação previne, uma vez que, sem a imunização, há a possibilidade de ressurgimento de doenças.

“A multivacinação vai, essencialmente, atualizar o cartão vacinal, que em sua grande maioria, por conta da pandemia, tivemos casos de pais e responsáveis que não se sentiam suficientemente seguros para levar suas crianças até os postos de saúde”, reforça. Um dos exemplos citados por Lucchesi é o do sarampo. O Rio Grande do Norte passou 19 anos sem ter nenhum caso da doença e voltou a registrar potiguares com o vírus no ano passado, quando um surto atingiu boa parte do país.

A atualização da carteira vacinal acontece nas unidades de saúde com as imunizações disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). Podem se vacinar crianças de um ano a menores de 5 anos contra a Poliomielite e menores de 15 anos para atualizar a carteira vacinal.