Mais de 140 vias serão recuperadas

Publicação: 2013-01-08 00:00:00
A Operação Tapa Buraco da Prefeitura de Natal começou nessa segunda, 7. Inicialmente, quatro pontos da cidade começaram a receber as melhorias: a Rua Monte Rei, no Planalto, a Avenida Hermes da Fonseca, nas proximidades da Igreja Universal, a Nascimento de Castro, na altura da Marise Bastié, e a Avenida Rio Doce, na zona norte. Ao final da operação, 53 ruas serão recapeadas, além das que serão pavimentadas, segundo a Secretaria Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura (Semopi), responsável pela conservação e manutenção das vias públicas.
O trabalho começou pelos principais corredores de ônibus da cidade, entre eles a avenida Monte Rei, no Planalto
O planejamento prevê a finalização das obras em até 200 dias. Mensalmente, R$ 500 mil serão destinados apenas para a Tapa Buraco.  Segundo o titular da Semopi, Rogério Mariz, serão gastos cerca de R$ 11,2 milhões, sendo R$ 10 milhões do governo federal e o restante da gestão municipal passada,    quantia já assegurada.

Se for necessário mais dinheiro para a conclusão das obras, a Semopi terá de esperar a abertura do orçamento da Prefeitura, em 16 de fevereiro, quando voltam as atividades na Câmara Municipal de Natal. Também por esse motivo, as nove empresas que trabalham na operação fazem parte de contratos firmados com a administração anterior.

Segundo a Semopi, os trabalhos da recuperação da malha viária seguirão pelos principais corredores da cidade, como as avenidas Hermes da Fonseca, Prudente de Morais, Salgado Filho, Bernardo Vieira, vias de maior fluxo de veículos e que  abrangem grandes corredores por onde passam os transportes coletivos. Mesmo sendo realizadas durante o dia, a expectativa é que a Operação traga o mínimo de trastorno para a população. As interdições serão feitas em trechos da via, e não na rua inteira.

A Semopi deverá atualizar o banco de dados em relação às ruas e avenidas da capital. Segundo portaria publicada no Diário Oficial, há nos registros da Prefeitura vários logradouros cadastrados como se estivessem pavimentados, quando, na verdade, não estão.

O decreto n° 9.858 de 27 de dezembro de 2012 prevê que a Semopi utilize imagens de satélites, vôo aéreo, inspeção in loco e outras medidas necessárias para rastrear quais dessas ruas e avenidas não apresentam coerência nos dados constantes no atual banco de dados da secretaria. O prazo para a realização desse levantamento, a ser feito em toda a cidade, é de seis meses, que pode ser prorrogado por mais 180 dias.