Mais de 47 milhões antecipam votos

Publicação: 2020-10-23 00:00:00
Mais de 47 milhões de eleitores norte-americanos já votaram antes das eleições do dia 3 de novembro, superando, 12 dias antes da data de votação, o total de votos antecipados da eleição de 2016, de acordo com dados compilados pelo Projeto Eleições dos EUA.  O número de votos antecipados neste ano ultrapassa em aproximadamente oito vezes o registrado na disputa presidencial de 2016, em período equivalente. 

Créditos: MORRY GASH/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDORepublicano Donald Trump e democrata Joe Biden disputam a Presidência dos Estados Unidos  Republicano Donald Trump e democrata Joe Biden disputam a Presidência dos Estados Unidos

A quantidade ocorre após muitos Estados expandirem a possibilidade de votação por correspondência ou presencial antecipada como uma maneira mais segura de votar durante a pandemia e mostra uma disposição do eleitorado em participar da decisão do futuro político de Donald Trump, que enfrenta um desafio duro por parte do democrata Joe Biden. Biden lidera nas pesquisas nacionais de opinião, embora as pesquisas nos Estados cruciais indiquem uma disputa mais apertada. 

O grande número de votos antecipados levou Michael McDonald, o professor da Universidade da Flórida que administra o Projeto Eleições dos EUA, a prever um comparecimento recorde de aproximadamente 150 milhões de eleitores, representando 65% do eleitorado, maior percentual desde 1908.

Neste cenário, os candidatos intensificam a campanha. Trump depende de vencer dois Estados cruciais: Flórida e Pensilvânia. Se ele puder reivindicar ambos e se agarrar a outros Estados do Cinturão do Sol (área entre o sul e sudoeste dos EUA) que ele conseguiu por pouco em 2016 - Carolina do Norte e Arizona - enquanto jogava na defesa na Geórgia e em Ohio, que ele venceu com folga em 2016, mas onde Biden agora é competitivo, ele vencerá.

A campanha de Trump também continua a despejar tempo e dinheiro em Wisconsin e Michigan, fortalezas democratas de longa data que ele conquistou pela margem mais estreita quatro anos atrás, enquanto tentava defender o segundo distrito congressional de Iowa e Maine e agarrar Nevada e Minnesota, dois Estados seus.

A campanha de Trump aponta para outros fatores que apontam a seu favor: a campanha e o Partido Republicano passaram anos investindo em uma poderosa operação de sensibilização do eleitor e tem 2,5 milhões de voluntários batendo em milhões de portas a cada semana.
Eles viram picos no registro eleitoral do Partido Republicano em vários Estados importantes. E os eleitores de Trump estão mais entusiasmados com seu candidato do que os democratas com Biden. Os democratas são movidos mais por seu ódio por Trump.

"Nós nos sentimos melhor sobre nosso caminho para a vitória agora do que em qualquer momento da campanha este ano", disse o gerente de campanha de Trump, Bill Stepien, à equipe em uma teleconferência esta semana. "E esse otimismo é baseado em números e dados, não em sentimentos."

Mas as pesquisas mostram que Trump está atrás ou quase igualado em quase todos os Estados que precisa vencer para chegar a 270 votos no Colégio Eleitoral. Salvo algum tipo de zebra importante, Trump precisa se agarrar a pelo menos um dos três Estados que ganhou em 2016: Pensilvânia, Wisconsin ou Michigan, disse Paul Maslin, um antigo pesquisador democrata baseado em Wisconsin. "Não vejo outra maneira de Trump fazer isso", disse ele.

As pesquisas da Fox News divulgadas na quarta-feira mostram Biden com uma vantagem clara em Michigan e uma pequena em Wisconsin. Na Pensilvânia, pesquisas recentes mostram Biden à frente, mas variam no tamanho de sua liderança.

O "problema fundamental" de Trump, disse Ayres "é que um grande número de Estados que ele venceu confortavelmente da última vez" estão atualmente próximos.

Mesmo que a vitória frustrada de Trump em 2016 ainda assombre os democratas e tenha deixado muitos eleitores profundamente desconfiados das pesquisas públicas, observadores atentos da corrida enfatizam que 2020 não é 2016.

Biden é mais preferido do que Hillary Clinton e as pesquisas sugerem que agora há menos eleitores indecisos do que há quatro anos atrás. E Hillary foi prejudicada nas últimas semanas da campanha por uma série de contratempos, incluindo a reabertura tardia de uma investigação do FBI sobre seus e-mails. O impacto de qualquer "surpresa de outubro" adicional desta vez seria limitado pelo número recorde de eleitores que já votaram.











Leia também: