Mais pobres no Brasil

Publicação: 2019-04-06 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Luiz Antônio Felipe
laf@tribunadonorte.com.br

Com o agravamento da recessão, entre 2014 e 2017,  a pobreza no Brasil cresceu e hoje atinge 21% da população ou 43,5 milhões de pessoas, segundo relatório do Banco Mundial. Em 2014 o total de brasileiros que vivia nesta condição era de 36,2 milhões. “Em vista do ritmo de crescimento medíocre da região, em particular da América do Sul, a deterioração dos indicadores sociais não deveria surpreender. No Brasil, que representa um terço da população da América Latina e Caribe, teve aumento da pobreza de cerca de três pontos percentuais entre 2014 e 2017”, diz o órgão internacional.

Projeção
Apesar dos dados não favoráveis, o Banco Mundial vai contra alguns prognósticos e coloca a projeção de crescimento da economia brasileira para 2019 em 2,2%, e 2,5% em 2020. Para Caribe e América Latina, o banco prevê uma expansão média menor, de 1,7%. Antes o número era 0,7% maior, mas caiu devido a Venezuela.

Correção
O governo estuda dar apenas a correção pela inflação, para o salário mínimo. Precisa dar mais um ganho acima - pela produtividade -, se o País crescer neste ano. Vale lembrar ainda que na campanha das eleições de 2018 tinha a promessa em corrigir a isenção do Imposto de Renda para quem ganha até R$ 5 mil.

Oscilação
No vai e vem da economia brasileira, os Investidores estrangeiros retiraram nada menos do R$ 432,556 milhões da B3 (bolsa de ações) no último dia 3. O governo e a classe política precisar dar mais garantias e segurança a quem investe. A volatilidade do mercado não é bom para um país que precisa de recursos externos.

Reservatórios
O armazenamento d’agua nos grandes reservatórios do Sudeste e do Nordeste está em elevação neste início de abril. Mesmo assim, os especialistas afirmam que o tai do sistema hidrológico continua preocupando. O período de chuvas no Centro Oeste e no Sudeste está terminando e, provavelmente, a bandeira amarela na tarifa de energia voltará a ser adotada antes do segundo semestre.

Previdência e capitalização
O jornal Correio Braziliense mostra em detalhe o sistema de capitalização da nova Previdência Social (mantido também o atual), defendido pela equipe econômica. Mudaria o sistema de repartição, pelo qual os contribuintes da ativa pagam os benefícios de quem já está aposentado e passaria a capitalizar a Previdência, de forma que cada beneficiário passe a financiar a própria aposentadoria. A forma capitalização total teria um custo de transição de centenas de bilhões de reais. O dinheiro de quem contribui hoje deixaria de ir para os atuais aposentados e passaria a ser investido na própria aposentadoria. Esse custo poderia chegar a R$ 400 bilhões em uma década. Se a capitalização fosse adotada só para quem ganha mais de três salários mínimos, a perda de arrecadação seria de R$ 199 bilhões  entre 2019/2026.

Contribuição
A diferença é que o benefício do trabalhador, ao se aposentar, passaria a ser calculado com base nas próprias contribuições feitas ao longo dos anos. Elas serão acumuladas e indexadas por taxas de juros virtuais (fictícias), no mesmo esquema da conta individual de um regime de capitalização.

Vegetal
O Ministério da Agricultura e Pecuária atualizou a lista de espécies vegetais introduzidas no Brasil. A Instrução Normativa publicada inclui as do Registro Nacional de Cultivares. Inicialmente, a lista publicada pela Instrução Normativa  em junho de 2017, contemplava apenas as espécies passíveis de proteção pelo Serviço Nacional de Proteção de Cultivares – SNPC. Na versão final incluirá todas as espécies introduzidas usadas nas atividades agrícolas, pecuárias e aquícolas.

Imposto (I)
Quando um contribuinte morre, cabe à família providenciar a declaração de espólio, que é o conjunto de bens, direitos e obrigações deixados pelo falecido, ou cancelar seu CPF.   Em geral, o atestado de óbito já informa se há bens. Caso não haja, é preciso encaminhá-lo à Receita Federal para solicitar o cancelamento do CPF. Se houver bens que enquadrem o falecido nas condições exigidas ela Receita,  o envio é obrigatório.

Imposto (II)
Pode ser um bom investimento deixar para receber a restituição do Imposto de Renda Pessoa Física  mais tarde, de outubro a dezembro. Antes de enviar a declaração de ajuste anual, o contribuinte deve levar em conta a atualização dos valores a pagar ou a receber, para definir se é conveniente entregar logo ou perto do fim do prazo, em 30 de abril, alertam os especialistas. Os números são corrigidos pela variação da taxa básica de juros (Selic), mas o cálculo envolve um percentual adicional quando se trata de imposto a pagar.









continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários