Maldito Sertão inspirador

Publicação: 2016-02-23 00:00:00
Yuno Silva
Repórter

Lobisomem, mula-sem-cabeça e papa-figo, entre outras figuras que assombram o imaginário popular, estão reunidas no livro “Maldito Sertão” do escritor e advogado Márcio Benjamin. O autor, que na infância costumava ouvir os causos contados de forma despretensiosa por sua avó quando ia visitar a família no interior, processou e transformou essas lembranças em contos.  Agora chegou a hora desses mesmos contos passarem por uma metamorfose de linguagem: a obra, publicada em 2012 pela editora Jovens Escribas e que ano passado teve a segunda impressão de sua segunda edição, será transformada em HQ com chancela do estúdio/selo/loja de arte sequencial K-Ótica.
Com primeira edição esgotada, ficção de Marcio Benjamin ganha uma segunda tiragem pela Jovens Escribas
Seis pessoas trabalham na adaptação do livro para quadrinhos, e a liberdade criativa é total. O resultado deverá ser conhecido ainda em 2016 e sai pelo selo “Ao Quadrado” – braço dos Escribas para aglutinar títulos de HQ. Estão envolvidos os quadrinistas (leia-se roteiristas, arte finalistas, ilustradores e desenhistas) Mario Rasec, Leander Moura, Renato Medeiros, Cris Moura, Rodrigo Xavier e Wagner Michel.

“Estou acompanhando a produção de longe, quando postam alguma coisa nas redes sociais é que tomo conhecimento. Conheço o trabalho deles (da K-Ótica), e o pouco que vi até agora achei bem legal. Estou deixando eles bem à vontade”, disse Márcio Benjamin à reportagem do VIVER. Para o autor, a única preocupação é que a adaptação não fuja muito do conteúdo do livro. “Levando em consideração a 'vibe' do trabalho deles em 'Lovenomicom' (novela gráfica de terror que marcou a estreia do selo Ao Quadrado em março de 2015), essa adaptação tem tudo para ser bem interessante”. A proposta da adaptação partiu de Carlos Fialho, editor chefe dos Jovens Escribas.

Márcio acredita que, apesar do livro ter tido boa aceitação de crítica e público, “a HQ acaba sendo mais fácil de ser assimilada”. Também há planos de levar “Maldito Sertão” para as telas, em parceria com o Coletivo Caboré Audiovisual.

O formato série chegou a ser elaborado e aprovado em edital do Ministério da Cultura (Ancine/Fundo Setorial do Audiovisual), mas o alto custo inviabilizou a produção. “Em vez de uma série, vamos propor um longa em episódios. Mais viável”, garante.

Vale lembrar que “Maldito Sertão” escancarou portas para Benjamin dentro e fora do Brasil: o livro foi adotado pelo Colégio Marista como paradidático, e entre os dias 17 e 31 de março, o autor será o primeiro potiguar a participar do evento Primavera Literária de Paris, que este ano terá como um dos focos estudo da literatura luso-brasileira.

O convite partiu do acadêmico Leonardo Tonus, professor na Universidade de Sorbonne, que conheceu o livro enquanto aproveitava as férias na praia de Pipa – bem no período de realização do Festival Literário (Flipipa). “O mais importante dessa experiência é ir com um livro de terror, gênero que ainda carece de espaço em eventos literários”, avalia.

Escritor profícuo, Márcio adiantou que tem outro livro pronto, a novela “Fome” – romance curto que narra um apocalipse zumbi em uma pequena cidade do interior do RN. “Não gosto desse rótulo, 'apocalipse zumbi', mas serve pra galera ter noção do que virá”, avisa o escritor e advogado com bom humor. A capa é assinada pelo quadrinista paraibano Shiko, atualmente radicado na Itália, “que ficou louco quando leu 'Maldito Sertão' e disse que fazia questão de se envolver em um próximo projeto”, contou Benjamin com orgulho.

Palavra de quadrinista
“Maldito Sertão” traz 12 contos (em sua segunda edição), e cada um terá sua própria identidade: ora os quadrinistas assinam o trabalho de forma solitária, ora em equipe. Uma nova história de pano de fundo está sendo pensada para dar unidade à narrativa: “Estamos fazendo capítulo a capítulo, adaptados para a dinâmica narrativa da arte sequencial, e a ideia é que a história 'guarda-chuva' sejam pessoas que se reúnem para contar as histórias abordadas no livro”, adiantou Renato Medeiros, que atua como roteirista e irá assinar um capítulo solo.

Como a equipe envolvida é versátil, todos podem assumir diversas funções ao longo do processo: em certo momento quem desenhou, pode fazer a arte final, em outro colaborar com o roteiro – cada qual com seu estilo.

O desenhista Leander Moura, que também irá assinar um capítulo sozinho, assim como Mario Rasec (autor do quadrinho de humor “Os Black”), lembra que o projeto começou a ganhar forma há cerca de um ano. “Primeiro tentamos fazer uma divisão dos contos, depois veio a proposta de adaptar as histórias de forma que todos colaborassem, até encontrarmos o melhor formato. Temos uma diversidade de estilos no grupo, e como são histórias de terror pedem traços mais pesados, uma página mais escura, 'noir'. Nem todas os contos serão adaptados, e trabalhamos com a possibilidade de acrescentar uma ou duas histórias inéditas”, finaliza Leander.

O quê
Adaptação para HQ do livro de contos de terror “Maldito Sertão”, de Márcio Benjamin, pelos quadrinistas Mario Rasec, Leander Moura, Renato Medeiros, Cris Moura, Rodrigo Xavier e Wagner Michel. O título sai pelo selo Ao Quadrado, da editora Jovens Escribas, e a data de lançamento ainda não está definida – mas será ainda este ano.