Manifestantes impedem acesso à Assembleia

Publicação: 2019-11-09 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Propositor da sessão solene em homenagem ao secretário especial de Trabalho e Previdência do Ministério da Economia, o  deputado estadual Gustavo Carvalho evitou fazer comentários detalhados sobre a manifestação de sindicalistas, que impediram, no decorrer da manhã e início da tarde, o acesso à Assembleia Legislativa.

Mas Gustavo Carvalho ainda ironizou a postura dos manifestantes. O deputado afirmou que eles “até têm razão, porque perderam cerca de R$ 4 milhões ao ano”, com o fim da contribuição sindical que, antes, retirava um dia de salário de cada trabalhador brasileiro em março de cada ano para as entidades sindicais .

O secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, usou o Twitter para dizer que a sessão não seria cancelada. “Apesar da marmita vamos fazer nosso evento, a turma cansou o Brasil não! Vamos adiante”, afirmou.

Por conta de piquetes levantados nas entradas de acesso à Assembleia, a sessão solene que estava prevista para começar às 10h, só iniciou depois das 13 horas, após que os manifestantes deixaram o entorno do  Palácio José Augusto, sede do Poder Legislativo.

Sindicalistas ficaram em frente ao portão lateral da Assembleia, a fim de impedir a entrada de Rogério Marinho, pela rua Ulysses Caldas. Também se postaram em frente a escadaria da Casa,  em frente à praça 7 de Setembro, impedindo a entrada e saída de pessoas.

Durante a manifestação houve tumultos, com protestos de quem estavam fora e dentro do saguão de acesso ao saguão térreo da Assembleia pelo lado da Ulisses Caldas. Os manifestantes usaram, inclusive carro de som pedindo "Lula Livre", havendo um momento que PMs postados no saguão de entrada da garagem e tiveram de usar da força contra os manifestantes, que também jogaram ovos contras os seguranças da Assembleia.

Entre os manifestantes, bandeiras e militantes do Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST), Sindicato dos Bancários, Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte-RN), Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Superior (Sintest-RN), Sindicato dos Servidores da Saúde (Sindsaúde-RN), Sindicato dos Servidores da Administração Indireta do Estado (Sinai-RN) e da Central Única dos  Trabalhadores (CUT), Comlutas e CTB. 





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários