Manifestantes protestaram contra o racismo por todo país

Publicação: 2020-11-21 00:00:00
O assassinato de João Alberto, homem negro de 40 anos, por seguranças no Carrefour Passo D'Areia, em Porto Alegre, gerou protestos em diversos locais do Brasil. Manifestantes entraram em unidades do supermercado. Na capital do Rio Grande do Sul, a manifestação começou no início da tarde, em frente à unidade onde aconteceu o crime. Com cartazes, bandeiras e faixas destacando que “vidas negras importam”, milhares de manifestantes exigiram Justiça pelo assassinato. A realização do protesto ganhou adeptos nas redes sociais e eclodiu em frente ao hipermercado. Para Natal, circulou a convocação de um protesto programado o estacionamento do Carrefour, na marginal da BR-101. 

Créditos: DivulgaçãoEm São Paulo, manifestantes atiraram pedras contra a fachada de uma das unidades do supermercadoEm São Paulo, manifestantes atiraram pedras contra a fachada de uma das unidades do supermercado

Cruzes e flores em homenagem a João Alberto também foram colocadas no local. Lideranças negras e políticas se revezavam no caminham de som. “Acabou o amor, isso aqui vai virar Palmares. Racistas, fascistas não passarão”, gritavam os manifestantes no ato. A fachada também foi pichada em protesto: “Assassinos”. Rojões também foram arremessados contra o mercado. No meio do ato, um coro de Fora Bolsonaro foi entoado pelos manifestantes.

O ato contou com forte aparato policial.  Após a morte de João Alberto na quinta-feira, o Carrefour amanheceu com as portas fechadas. Mesmo em meio a pandemia, aglomerações foram registradas no ato. A maioria dos integrantes usava máscara de proteção facial. O trânsito foi bloqueado no local. Os motoristas que passavam pela região buzinam em apoio aos manifestantes.

Em São Paulo, manifestantes se concentraram no vão do Masp e seguiram ao Carrefour da Avenida Brigadeiro Luís Antônio, na Zona Sul da capital. O ato foi convocado por organizações do movimento negro e tem o tema Vidas Negras Importam.

Na unidade do Carrefour da Pamplona, que fica no bairro Jardim Paulista, manifestantes atiraram ao chão e atearam fogo em mercadorias das prateleiras. Em vídeos que circulam nas redes sociais, funcionários do supermercado aparecem com extintores para tentar apagar as chamas.

No Rio de Janeiro, dezenas de manifestantes fizeram um protesto no supermercado Carrefour da Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade.