Marinha não tem definição sobre novas varreduras em presídios do RN

Publicação: 2017-02-17 11:11:00 | Comentários: 0
A+ A-
Apesar dos recentes trabalhos de vistorias realizados nos presídios do Rio Grande do Norte, a Marinha do Brasil afirmou que não há confirmação de novas varreduras em penitenciárias do Estado nos próximos dias.
Cadeia Pública de Natal recebe a Operação Varredura
Até esta sexta-feira (17), quatro presídios foram inspecionados por fuzileiros navais durante a Operação Varredura. A última vistoria foi iniciada esta manhã no presídio Provisório Raimundo Nonato. A expectativa é de que os militares concluam os trabalhos de busca de objetos proibidos no presídio até o final do dia.

De acordo com o porta-voz da operação, o Capitão de Mar e Guerra Cleber Ribeiro, a Marinha irá atuar nos presídios apontados como prioridades. No entanto, não é possível precisar a localidade, a penitenciária e quando será realizada uma nova varredura.

"Há um decreto que faz menção a atuação por um período de um ano. Nele foi elencada que as inspeções seriam realizadas em áreas prioritárias. Mesmo assim, a definição de onde vamos a partir daqui nós não sabemos. Não temos como confirmar se iremos continuar ou não", explica.

Raimundo Nonato
Enquanto não há definições sobre a continuidade dos fuzileiros navais no RN, a Marinha se concentra no Presídio Provisório Raimundo Nonato, na zona Norte de Natal. Por volta das 8h da manhã desta sexta-feira (17), aproximadamente 500 militares deram início a mais uma etapa da Operação Varredura.

Com equipamentos modernos e cães farejadores, os militares verificam a existência de armas, drogas, aparelhos celulares e objetos proibidos. A ação segue o mesmo modus operandi das últimas três vistorias em presídios do RN e conta com o apoio do Grupo de Operações Especiais (GOE) e Polícia Militar.
Trecho da Avenida Itapetinga foi interditado para atuação de militares na Raimundo Nonato
Por estar localizado em uma área urbana, o trânsito do entorno da Cadeia Pública de Natal sofreu algumas pequenas alterações. A Marinha interditou a Avenida Itapetinga, na área que corresponde a extensão do presídio. A Rua Iguatú, que fica na lateral da unidade, também foi bloqueada parcialmente. A intervenção na malha viária teve como objetivo resguardar a atuação dos militares, bem como garantir a segurança da população. "Buscamos interferir o mínimo possível no trânsito. Apesar dos trechos bloqueados, tudo está fluindo tranquilamente. A Marinha agradece o apoio da população. O mais importante dessa operação é manter a tranquilidade da população, dos apenados e seus familiares", afirmou.

Além da Raimundo Nonato, já foram inspecionados pela Marinha o Presídio Estadual de Parnamirim (PEP), a Penitenciária Agrícola Dr. Mario Negócio e a Cadeia Pública de Mossoró. As varreduras resultaram na apreensão de mais de 2 mil itens, entre celulares, armas brancas, drogas e objetos proibidos.

Itens ilegais retirados nas operações
- 19 celulares;
- 30 baterias;
- 35 chips de celulares;
- 644 armas brancas
- 148 materiais suspeitos de serem narcóticos
- 1.131 outros itens proibidos
Total: 2.007


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários