Médico relata caos no Walfredo em tempo real

Publicação: 2010-12-28 00:00:00 | Comentários: 6
A+ A-
Um cirurgião do Estado furou a barreira de silêncio que se ergueu em torno do Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HWG) e, usando o microblog twitter contou, em tempo real, o drama dele em busca de uma sala de cirurgia na madrugada de ontem. A saga de Allan Filgueira (twitter.com/allanfilgueira) - entre a indicação cirúrgica do paciente com o estômago perfurado e o procedimento se passaram seis horas de luta por maca, sala e equipe – foi alternada com frases de desabafo. “Quer um conselho? Evite acidentar-se”, escreveu em um certo momento. No último post, comparou a sala do Politrauma (onde os pacientes recebem os primeiros socorros) a uma guerra. “O Politrauma está um caos! Faixa de Gaza! Quer ser cirurgião?” (Leia a reprodução ao lado). O acesso ao HWG é fechado aos repórteres e fotógrafos.

Allan Filgueira: conselhos e indignação durante o plantão na madrugada de ontem no HWGNo dia seguinte, o médico recebeu mensagens, via twitter, de seguidores emocionados com o relato e também foi procurado por jornalistas.

Quando dedilhava o iPad no calor do plantão, Allan Filgueira não imaginava a repercussão que sua história teria. “Foi um desabafo. Eu não pensava em denúncia social. Eu ando revoltado. Esses problemas não são novidade, mas a gente espera que melhore e só piora”, disse. Ninguém do corpo administrativo do Walfredo se solidarizou com o funcionário.

Entre plantonistas, se difundiu a história das “cinco barreiras” que podem separar a indicação cirúrgica do bisturi em dias movimentados: primeiro é preciso conseguir maca, depois a roupa do centro cirúrgico, a sala, a equipe e, por fim, o anestesista (especialidade escassa no HWG). São seis salas de cirurgia e menor número de equipes de plantão. Ontem, eram apenas duas equipes.

O paciente do estômago perfurado passou três horas para ter uma maca e mais três na fila da cirurgia. “São coisas que a faculdade não ensina: a gente decidir quem vai primeiro e quem vai ficar sofrendo”. Como estava compensado, esse paciente ficou atrás de outros com traumas mais graves.

Essa não foi a primeira vez que Allan desnudou o caos do maior hospital do Estado no twitter. “Ninguém liga muito para o Walfredo. A classe média acha que tem plano de saúde e nunca vai precisar dele”. Certo de que divulgar é o único caminho para melhorar, o cirurgião pretende intensificar as denúncias no microblog.

Cooperativa médica ameaça suspeder contrato

 Os médicos da Cooperativa Médica do Rio Grande do Norte – que prestam serviços de alta e média complexidade para a Secretaria Estadual de Saúde, além de plantões no hospital Deoclécio Marques, CRO do Walfredo Gurgel e a neonatal do hospital da Polícia Militar – ameaçam suspender dos contratos com a Sesap. Representantes da cooperativa se reuniram na noite de ontem para definir a postura em relação ao contrato com o Governo do Estado, mas até o fechamento desta edição não haviam chegado ao consenso.

Segundo o presidente da Coopmed, Fernando Pinto, o pagamento desses convênios está atrasado há mais de 90 dias. “A dívida está em quase em R$ 2,2 milhões. Os médicos do Deoclécio [Hospital Regional Deoclécio Marques de Lucena, em Parnamirim] não recebem desde agosto; ou seja, o pessoal da ortopedia está há cinco meses sem receber”, disse Fernando Pinto.

Esse hospital, que realiza cerca de mil atendimentos por mês só em ortopedia e 150 cirurgias também terá os contratos suspensos. “O Deoclécio dá suporte ao Walfredo Gurgel. Sem o funcionamento normal do hospital de Parnamirim, a situação do HWG ficará mais complicada”, alertou Fernando Pinto.

Atualmente, cerca de 500 médicos da Coopmed prestam serviços à Sesap. São 36 especialidades entre Neurocirurgia, cirurgia cardíaca e oncologia da LIGA.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários

  • omipibuense

    Esse médico deveria estar atendendo aos sofridos pacientese e não twitando na internet.

  • larissacabralfagundes

    Engana-se quem acha que ter plano de saude é garantia de que nunca irá precisar de um Hospital Publico.E se não precisar para você ,tenham pelo menos a compaixão dos que precisam,pode ser um amigo um familiar ou qualquer pessoa que vc conheça ou não ,trata-se de vida humana ,de gente que precisa ser tratada com respeito .Parabenizo aos médicos responsáveis ,hérois .Que fazem a sua parte, independente do descaso dos nossos governantes.Que trabalham sem estrutura ,fazendo o impossivel para atender o paciente sem ter material apropriado devido a falta dentro do hospital,estrutura digna de trabalho para esses profissionais guerreiros.falo porque estive lá ontem e a realidade é triste. verdade tudo o que esse médico relata. Só sabe o que esta acontecendo quem esta ali na luta do dia a dia.e sem condições de dar o melhor ao paciente porque infelizmente não depende unicamente dele e sim dessas pessoas que acham que nunca precisarão de um Hospital Público..

  • rcamaraguedes

    Perguntas: O que um cidadão sem saúde,sem educação,sem segurança,sem habitação e sem boa alimentação pode reivindicar? Será que é tão difícil administrar estes setores? Por que os bilhões de reais recolhidos dos impostos não chegam à atividade-fim? Etc,etc,etc...

  • lobovermelhorn

    O CAOS NA SAÚDE DO ESTADO É HERANÇA DO GOVERNO DE D. VILMA DE FARIA. O ROMBO É GRANDE.

  • aoempreendedor

    Perfeição Legião Urbana Vamos celebrar a estupidez humana A estupidez de todas as nações O meu país e sua corja de assassinos Covardes, estupradores e ladrões Vamos celebrar a estupidez do povo Nossa polícia e televisão Vamos celebrar nosso governo E nosso Estado, que não é nação Celebrar a juventude sem escola As crianças mortas Celebrar nossa desunião Vamos celebrar Eros e Thanatos Persephone e Hades Vamos celebrar nossa tristeza Vamos celebrar nossa vaidade. Vamos comemorar como idiotas A cada fevereiro e feriado Todos os mortos nas estradas Os mortos por falta de hospitais Vamos celebrar nossa justiça A ganância e a difamação Vamos celebrar os preconceitos O voto dos analfabetos Comemorar a água podre E todos os impostos Queimadas, mentiras e seqüestros Nosso castelo de cartas marcadas O trabalho escravo Nosso pequeno universo Toda hipocrisia e toda afetação Todo roubo e toda a indiferença Vamos celebrar epidemias: É a festa da torcida campeã. Vamos celebrar a fome Não ter a quem ouvir Não se ter a quem amar Vamos alimentar o que é maldade Vamos machucar um coração Vamos celebrar nossa bandeira Nosso passado de absurdos gloriosos Tudo o que é gratuito e feio Tudo que é normal Vamos cantar juntos o Hino Nacional (A lágrima é verdadeira) Vamos celebrar nossa saudade E comemorar a nossa solidão. Vamos festejar a inveja A intolerância e a incompreensão Vamos festejar a violência E esquecer a nossa gente Que trabalhou honestamente a vida inteira E agora não tem mais direito a nada Vamos celebrar a aberração De toda a nossa falta de bom senso Nosso descaso por educação Vamos celebrar o horror De tudo isso - com festa, velório e caixão Está tudo morto e enterrado agora Já que também podemos celebrar A estupidez de quem cantou esta canção. Venha, meu coração está com pressa Quando a esperança está dispersa Só a verdade me liberta Chega de maldade e ilusão. Venha, o amor tem sempre a porta aberta E vem chegando a primavera - Nosso futuro recomeça: Venha, que o que vem é perfeição http://www.vagalume.com.br/legiao-urbana/perfeicao-com-trecho-da-musica-ao-vivo.html

  • insectorsun.sol

    zanza_yu@... graças a esse médico, podemos em tempo real saber do caos em que se encontra o WG, ele usa um Ipad ( um pc de mão )...graças a o uso de recurso tecnologico nas mãos de um médico que não parece ser daqueles idiotas metidos a besta que podemos ver a realidade da nossa cidade... enquanto a prefeita engana alguns com showzinhos, luzes de natal e eventos mediocres, tem milhares de cidadãos que pagam suas contas sofrendo nos corredores esperando um milagre de Deus para poder ser socorrido... e concordo plenamente com o que o amigo médico fez, todos os hospitais publicos deviam ter um médico assim, que não tem medo de expor a porcaria que esta o ambiente em que ele trabalha.