Menor expansão

Publicação: 2018-07-13 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
A previsão de crescimento econômico anual é menor que 1%. Apesar de alta de 1.5% no PIB em 2018, economistas antecipam os cenários alternativos que apontam crescimento entre 0.7% e 0.8%. O momento é de retração. Todos os setores da economia, com alguma exceção, estão chiando diante da conjuntura ruim. Na indústria eletroeletrônica a produção recuou 8,7% em maio ante abril, com a greve dos caminhoneiros afetando o desempenho do setor. Com a previsão orçamentária para 2019 deixando pouco espaço para investimento público, não se pode esperar muito do PIB. Ontem, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia confirmou ontem a redução da projeção do PIB para 1,6%.

Futuro
Cerca de 88% dos que se planejam para a aposentadoria abrem mão de gastos do cotidiano, apontam o SPC Brasil e CNDL.  As principais adaptações incluem reduzir saídas para bares e restaurantes, itens supérfluos em supermercados e viagens. Dentre os que se preparam para aposentadoria, 74% confiam que manterão um estilo de vida confortável após deixarem o mercado de trabalho.

Comércio (I)
As consequências da greve dos caminhoneiros ainda não estão totalmente superadas e pode afetar vendas do varejo também em junho, alerta o IBGE. Em maio, cinco entre oito atividades do varejo registram perdas, na comparação com maio de 2017.  O volume vendido subiu 2,7%, a 14ª taxa positiva seguida, puxada pelo incremento de 8,0% em  hiper e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo.

Comércio (II)
A Confederação Nacional do Comércio (CNC) revisa para menos, 4,8%, a projeção de crescimento do varejo ampliado, que inclui automóveis e outros segmentos. A queda de 4,9% em maio, em relação ao mês anterior, representa perda de R$ 7,4 bilhões para o setor segundo avaliação da  entidade.  O recuou é em decorrência dos 11 dias  greve dos caminhoneiros.

Exterior
As grandes economias emergentes como a China, Brasil e a Índia sofrerão mais do que os países desenvolvidos se as tarifas de comércio retornaram aos níveis de 1990, alertou ontem a  OCDE. Até mesmo a disputa EUA-China poderá afetar a exportação de soja do Brasil a outros mercados.

Busca por crédito cresce
A demanda do consumidor por crédito cresce 11,1% no primeiro semestre, aponta a Serasa Experian, com a baixa renda liderando a alta da busca por crédito. Já na relação mensal - junho x maio/18 - o índice recuou 7,0%, assim como na comparação anual (com junho/17), que teve queda de 0,8%. De acordo com os economistas da Serasa Experian, os juros menores neste ano, combinados com uma modesta expansão da confiança do consumidor e da renda real neste primeiro semestre, elevaram a demanda dos consumidores por crédito.

Causa
O desemprego mais alto é apontado como o principal motivo da restrição do nome dos consumidores, diz pesquisa da Boa Vista SCPC. Cerca de 86% das contas vencidas que causaram a restrição estão em atraso há mais de 90 dias. E, 50% dos consumidores têm até duas contas vencidas (no 2º semestre de 2017 eram 40%)

Shopping
O  setor de shopping centers apresenta alta de 4,9% em vendas no mês de maio, diz a Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), ressaltanto os bons resultados do setor impulsionados pelo Dia das Mães, apesar da greve dos caminhoneiros. A alta dos índices, tanto em maio quanto no balanço do primeiro trimestre, são um sinal de continuidade do movimento de crescimento. Considerando o mix de vendas, o crescimento de lazer/entretenimento foi de 26,54%, vestuário 3,71% e alimentação 7,73%.

Construção
O mercado da construção e do imobiliário  continua com a “betoneira” parada. Em São Paulo, os lançamentos de imóveis caíram 45% no primeiro semestre, na comparação com 2017. No comércio de material de construção no Brasil. As vendas acumulam baixa de 0,4% no primeiro semestre, diz a Abramat (associação dos varejistas do segmento). Tá batendo um desânimo na indústria e no comércio da construção.

Inverno
As previsões indicam que as chuvas de junho e junho ficam restritas, sempre ao Agreste e Litoral. Com o fenômeno La Niña, parece que passou do ponto de corte, ainda bem. Continua chovendo em boa parte do Nordeste, enquanto a quadra chuvosa 2018/2019, do Sudeste e Centro Oeste já se aproxima. É da característica dessas regiões as chuvas começarem em outubro seguindo até abril.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários