Economia
Mercado potiguar demite 1,2 mil trabalhadores
Publicado: 00:00:00 - 18/04/2014 Atualizado: 21:37:01 - 17/04/2014
No Rio Grande do Norte, o Caged mostra que foram eliminados 1.297 empregos com carteira assinada em março, correspondendo a uma retração de 0,29% em relação ao “estoque” de assalariados com carteira assinada do mês anterior.

O resultado, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego, decorreu do desempenho negativo do emprego nos setores da Indústria de Transformação (-1.432 postos), da Agropecuária (-519 postos) e da Extrativa Mineral (-78 postos). O segmento que mais gerou vagas no mês foi o comércio (+386 vagas).

Leia Mais

Na série ajustada, que incorpora as informações declaradas fora do prazo, nos três primeiros meses do ano, houve acréscimo de 796 postos de trabalho, considerando o conjunto das atividades econômicas no Rio Grande do Norte (+0,18%). Ainda na série com ajustes, nos últimos 12 meses verificou-se aumento de 3,75% no nível de emprego ou +15.886 postos de trabalho.

Estados
O Estado de São Paulo foi o que mais contratou no país (19.227), seguido por Rio Grande do Sul (13.708 empregos formais gerados). Segundo o ministro, a Região Metropolitana de Porto Alegre experimenta uma situação de “quase pleno emprego” com uma taxa de desemprego de 3,2%.

O terceiro Estado que mais criou postos de trabalho foi Santa Catarina (4.414). Somado o desempenho do Paraná (5.940 admissões), o Sul do País obteve o melhor desempenho entre as regiões, com 24.062 empregos de saldo líquido em março.

Leia também